Casarões da CDP saqueados e em ruínas
Abandonado há cerca de vinte anos pela Companhia Docas do Pará, o casarão que até o início dos anos 2000 servia como...
Ver mais
Perigo quando as águas azuis do Tapajós ficam verdes
O Tapajós, já reconhecido como o mais belo rio do mundo, é um dos maiores da Amazônia e às suas margens...
Ver mais
As incríveis coleções do Museu Paraense Emílio Goeldi
Com importância singular nos campos científico, sociocultural e político, os acervos arqueológicos e etnográficos do Museu Paraense Emílio Goeldi, sediado em...
Ver mais
Previous
Next

O procurador-geral de Justiça César Mattar Jr. recebeu, ao lado do subprocurador-geral de Justiça Eduardo Barleta, do 2º subcorregedor-geral Geraldo Rocha; do presidente da Associação do Ministério Público do Pará (Ampep), promotor de Justiça Márcio Maués Faria, e do chefe de gabinete da PGJ, promotor de…

A roda de conversa “Novíssimas teses sobre a Cabanagem”, com o jornalista Sérgio Buarque de Gusmão, pesquisador e autor do livro “Nova História da Cabanagem: seis teses revisam a insurreição que incendiou o Grão-Pará em 1835”, o historiador Geraldo Mártires Coelho, professor titular aposentado da UFPA, e a cientista política…

O Ministério Público do Estado e o Ministério Público Federal criaram um Grupo de Trabalho Interinstitucional para tratar das questões envolvendo as comunidades quilombolas e populações tradicionais do Marajó, de modo articulado com o Grupo de Trabalho Agrário do MPPA e acompanhamento dos Centros de Apoio Operacional…

Figura na pauta da reunião virtual do Pleno do Tribunal de Justiça do Estado do Pará desta quarta-feira, 16, o julgamento de Processo Administrativo Disciplinar contra os juízes Raimundo Moisés Alves Flexa e Marco Antônio Lobo Castelo Branco. Em julho de 2019, circulou amplamente nas redes sociais gravação em áudio na qual o prefeito de…

CAFÉ PARAENSE

Tapioquinhas de coco, de cupuaçu, de bacuri, de leite condensado, de queijo do Marajó, pupunhas, geléias, mingaus, bolinhos e sucos de incontáveis sabores exóticos pontificam num café da manhã típico do Pará. Belém é uma capital rica em cores, cheiros e sabores, sentidos em cada esquina: nas barracas de tacacá, nas vendas de açaí, anunciadas com bandeirinhas vermelhas, e nas mangas que caem das árvores. 
São especialidades da culinária mais típica do Brasil, frutos da natureza pródiga, da colonização portuguesa e das heranças indígena e africana. Uma miscigenação cultural e racial que também se faz presente no artesanato e no folclore.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email

Conteúdo relacionado

0 resposta em “CAFÉ PARAENSE”

Compartilhar