Em 17 de agosto é celebrado o Dia do Patrimônio Histórico. A Lei nº 378/1937, no governo Getúlio Vargas, criou o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, a fim de proteger e preservar os bens culturais do país, marcando…

A incorporação do território da então Província do Grão Pará e Rio Negro ao Império Brasileiro, fruto de um engodo, ensejou em poucos meses a tragédia do brigue Palhaço e, mais de dez anos depois, a sangrenta Cabanagem, mas esse…

O juiz Jonatas dos Santos Andrade renunciou à presidência da Amatra 8 – Associação dos Magistrados Trabalhistas da 8ª Região e vai assumir o cargo de Juiz Auxiliar da Presidência do Conselho Nacional de Justiça, a convite da ministra Rosa…

Quando todos apostavam em uma radicalização que causasse esgarçamento das relações empresariais na cúpula das indústrias instaladas no Pará, a diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Pará, liderada por José Conrado Santos e José Maria Mendonça, deu uma…

AÇAÍ, DELÍCIA PARAENSE

O açaí é uma palmeira do norte do País, conhecida pelos indígenas como “içá-çai”, a fruta que chora. O açaí é típico da Amazônia e importante na alimentação diária das populações locais por seus altos valores nutricionais. Misturado com farinha de mandioca e açúcar, o açaí é presença quase diária na mesa do paraense. 

O principal alimento extraído do açaí é o vinho, um suco feito da polpa e da casca de seus frutos. Da fruta também se extrai um saboroso palmito que vem sendo industrializado nos últimos anos.

Há duas variedades de açaí: o roxo e o branco. O roxo tem polpa cor de vinho. E do açaí branco faz-se um suco creme-claro. A polpa pode ser utilizada na preparação de sucos, sorvetes, vinhos, licores e doces. 

A colheita é feita durante o ano todo, mas o açaí é encontrado em maior quantidade entre os meses de julho e dezembro.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

0 resposta em “AÇAÍ, DELÍCIA PARAENSE”