Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Reação parauara à Lei Kandir

Parece que finalmente começou a mobilização parauara contra a Lei Kandir. A PEC 92, de autoria do deputado federal Cláudio Puty, vem sendo entendida como uma luta suprapartidária capaz de envolver toda a sociedade paraense. O presidente da Associação Comercial do Estado do Pará, Sérgio Bitar; o presidente do Conselho Regional de Economia do Estado do Pará, Rosivaldo Batista; o diretor da Faculdade de Economia da UFPA, Armando Lírio, e os alunos do Curso de Economia, por meio do Centro Acadêmico de Economia, já se colocaram à disposição do debate. 

Ontem, após uma reunião na sede da ACP com o deputado Cláudio Puty, para conhecerem os detalhes do projeto, ficou ainda mais evidente a necessidade de organização de um movimento da sociedade civil capaz de envolver diversas organizações e instituições.

Está passando da hora de o Pará reagir. A Lei Kandir isenta de ICMS as exportações de produtos primários e semielaborados. Até 2003, garantiu aos Estados o
repasse de valores a título de compensação pelas perdas decorrentes da isenção
de ICMS, mas, a partir de 2004, a Lei Complementar 115 – uma das que alterou
essa legislação –, embora mantendo o direito de repasse, deixou de fixar o
valor. Com isso, os governadores precisam negociar a cada ano o
montante a ser repassado, mediante recursos alocados no orçamento geral da
União. Que sempre foram insignificantes, diga-se de passagem, diante do que deixou de ser arrecadado.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *