Se depender do procurador regional eleitoral substituto, José Augusto Torres Potiguar, o senador Zequinha Marinho(PSC) e seus suplentes Arlindo Penha da Silva e Marinho Cunha terão os mandatos cassados pelo Tribunal Superior Eleitoral, assim como a suplente de deputada federal Júlia Marinho (PSC), esposa de Zequinha Marinho,…

No dia 6 de maio deste ano, o artista Eduardo Kobra inaugurou o mural “Coexistência – Memorial da Fé por todas as vítimas do Covid-19”, feito inicialmente em uma tela, no ano passado. Com 28 metros de largura por 7…

Desde o registro oficial do 1º caso confirmado de Covid-19, em 26 de fevereiro de 2020, o Brasil superou a trágica marca de meio milhão de mortos e quase 18 milhões de infectados confirmados, na tarde de 18 de junho de 2021, conforme…

Já estão conclusos à relatora no Supremo Tribunal Federal, ministra Rosa Weber, os autos da ADPF 848/DF - Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental, com pedido de medida cautelar, proposta pelos governadores do Distrito Federal e dos Estados de Alagoas,…

Perigo quando as águas azuis do Tapajós ficam verdes

O Tapajós, já reconhecido como o mais belo rio do mundo, é um dos maiores da Amazônia e às suas margens estão localizadas praias de beleza cênica deslumbrante, como a de Alter do Chão, em Santarém do Pará. As águas azuis ficam verdes em determinada época do ano, e muita gente confunde a cor como de algas e na região se diz que o rio está com “limo”. Pois uma interessante pesquisa de James Leão de Araújo, intitulada “Monitoramento por sensoriamento remoto da concentração de clorofila-a e das florações de cianobactérias no Baixo Tapajós: audiovisual praias do Tapajós para gerações presentes e futuras”, defendida no Programa de Pós-Graduação em Rede Nacional para o Ensino das Ciências Ambientais (Profciamb), do Instituto de Geociências (IG/UFPA), sob a orientação da professora Maria Paula Cruz Schneider e coorientação da professora Maria Ataide Malcher, resultou em documentário com fins didáticos para informar e conscientizar a população sobre os diversos efeitos das florações de cianobactérias nas praias do rio Tapajós.

Em sua dissertação, o pesquisador observou que na região entre os municípios de Aveiro e Santarém, o Tapajós se assemelha a um lago, o que favorece o processo de eutrofização, que resulta no crescimento excessivo de algas e plantas aquáticas, o “limo do Tapajós”. As florações ou blooms caracterizam o surgimento das cianobactérias, microrganismos importantes para os ecossistemas e para a vida na Terra por constituírem a base de cadeias alimentares, além de serem os maiores produtores de oxigênio atmosférico. Mas, em determinadas situações, essas cianobactérias produzem cianotoxinas, substâncias que provocam intoxicação e morte de organismos aquáticos, animais e até seres humanos. Nem mesmo os métodos convencionais de tratamento de água, como ferver, filtrar ou adicionar cloro, podem descontaminar a água das cianotoxinas.

Ao longo de mais de dois mil quilômetros quadrados, James Leão de Araújo coletou dados sobre a distribuição, a ocorrência e os riscos ocasionados pela presença de cianobactérias no rio Tapajós, envolvendo unidades de conservação, populações ribeirinhas e destinos turísticos, em quatro pontos da margem direita: a Ponta do Tauá, localizada na Praia do Cururu; a Praia do Pajuçara; a Praia do Maracanã e o Lago Mapiri. Foi utilizado sensoriamento remoto, por meio de imagens de satélite. A partir dos dados obtidos, foram gerados mapas usados como índice para as coletas de campo que validaram os estudos. As amostras foram pré-processadas na Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), em Santarém, e analisadas no Laboratório de Genômica Funcional e Biotecnologia da UFPA. Parte dos recursos para locações, deslocamentos e coletas de campo foi financiada pelo Profciamb, com recursos da Comissão de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior (Capes) e da Agência Nacional de Águas (ANA).

A balneabilidade é um dos conceitos trabalhados na pesquisa de James Araújo e refere-se à qualidade da água, que oferece segurança para banho, recreação e esportes aquáticos em corpos hídricos, como mares e rios. No Brasil, os parâmetros de balneabilidade são estabelecidos pela Resolução 274/2000 do Conselho Nacional do Meio Ambiente. Laudos devem ser apresentados para a população informando se a qualidade da água está excelente, muito boa, satisfatória ou imprópria para banho. Neste último caso, o local deve ser interditado.

“Nos últimos dez anos, tem-se observado, em todo o mundo, o aumento das florações das cianobactérias. As principais causas são o aquecimento global, a maior disponibilidade de nutrientes em esgotos, a lixiviação de nutrientes da agricultura, a retirada da cobertura natural, o manejo inadequado do solo e o transporte de cianobactérias em água de lastro de navios”, esclarece o pesquisador, explicando ainda que, para reconhecer a presença das cianobactérias na água, é necessário observar elementos como a coloração esverdeada e o odor desagradável. Os maiores riscos estão relacionados à ingestão e, apesar de alguns trabalhos demonstrarem riscos para a pele e as mucosas, ainda é preciso comprovar a absorção por essas vias.

James Araújo apurou a ocorrência sazonal das explosões populacionais das cianobactérias. “Elas ocorrem em pontos específicos, nos quais não há grandes aglomerados humanos ou esgotos, sendo aparentemente condicionadas por fatores pluviométricos e pelo nível do rio que tem enchente, cheia, vazante e seca, mas somente fatores climáticos não explicam por completo o fenômeno”. Assistam ao vídeo.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar