O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

Casarões da CDP saqueados e em ruínas

Abandonado há cerca de vinte anos pela Companhia Docas do Pará, o casarão que até o início dos anos 2000 servia como residência oficial da presidência da CDP, em Miramar (rodovia Arthur Bernardes), rodeado de outras edificações que eram utilizadas pelos demais diretores, teve todo o seu acervo saqueado e o conjunto arquitetônico está em ruínas, por falta de manutenção e vigilância. O interior do prédio principal tinha pratarias e louças antigas, camas de cobre, móveis e utensílios de época, de enorme valor histórico e econômico. Agora, só mato, lama e destruição.

A origem dos casarões remonta a 1906, quando o engenheiro norte-americano Percival Farquhar ganhou a concessão para executar o porto de Belém, desde a foz do rio Guamá até a ponta da ilha de Mosqueiro, e fundou a companhia “Port of Pará” no mesmo ano. O projeto da organização portuária foi elaborado pela S. Pearson & Sons, que construiu os portos de Liverpool e Londres(UK). Na época, Augusto Montenegro era governador do Pará e Antônio Lemos o intendente municipal.

Farquhar, nascido em Nova York, filho de milionários, formado em Engenharia pela Universidade de Yale e em Direito na Universidade de Columbia (USA), “tubarão” de Wall Street, era vice-presidente da “Atlantic Coast Electric Railway Co ” e da “Staten Island Electric Railway Co”, que controlavam o serviço de bondes em NY, presidente da Companhia de Electricidade de Cuba e vice-presidente da “Guatemala Railway”.

Atraído à Amazônia no período áureo da borracha, Percival Farquhar intensificou a navegação na região através da “Amazon River” e, ao construir o porto de Belém, na primeira década do século XX, pensando na segurança da diretoria da empresa – Belém foi assolada por epidemia de febre amarela, que matou vários operários durante as obras – trouxe do Rio de Janeiro ninguém menos que o Dr. Oswaldo Cruz, que ainda visitou Rondônia, onde Farquhar concluía a estrada de Ferro Madeira Mamoré, iniciada pelo Barão de Mauá e popularmente conhecida como “Ferrovia do Diabo”, tal o número de vidas perdidas. Poucos trabalhadores sobreviveram à insalubridade, fome, doenças como malária e disenteria, falta de medicamentos e condições de trabalho precárias, minimizadas pelos empresários como preço a ser pago em nome do progresso. A construção da ferrovia fazia parte do tratado de Petrópolis, selado com a Bolívia em 17 de novembro de 1903, após compra de território boliviano pelo Brasil que corresponde ao estado do Acre. 

Para se ter uma ideia, o escritório da “Port of Pará” e seu depósito de materiais ficavam no Forte do Presépio. A execução do serviço braçal contratava mão de obra local, mas os mergulhadores eram especialistas ingleses (até hoje as multinacionais que ganham bilhões no Pará fazem isso). O vice-presidente da empresa era o engenheiro cubano Antonio Lavandeyra, que trabalhou também na construção do porto de Manaus(AM).

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *