A igreja de São Francisco de Assis em Belém do Pará, carinhosamente chamada pelos fiéis de "Capuchinhos", completará cem anos de sua inauguração em 02 de outubro de 2022. A abertura oficial das festividades será com um concerto na igreja…

O trânsito continua matando mais do que muitas guerras. A administradora Gina Barbosa Calzavara, coordenadora dos bosquinhos da Universidade Federal do Pará, fez uma emocionante homenagem à memória do jovem Jean Serique Lameira, esportista do ciclismo e que também usava…

O Laboratório de Engenharia Biológica do Parque de Ciência e Tecnologia - PCT Guamá está estudando o sequenciamento genético do açaí, de modo a assegurar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia produtiva e padrões de qualidade para os…

A Lei estadual nº 9.278/2021, que entrou em vigor em 30 de junho deste ano, instituindo a obrigação de que pessoas residentes em condomínios, conjuntos habitacionais e similares comuniquem à Polícia Civil, de forma imediata, qualquer tipo de agressão praticada…

Enfrentamento à violência contra as mulheres

FOTO: CRISTINO MARTINS
A governadora do Pará em exercício, desembargadora Luzia Nadja Nascimento, discutiu políticas de enfrentamento à violência contra a mulher com representantes da Secretaria de Políticas para Mulheres da Presidência da República, em reunião que também teve a participação de integrantes da Coordenaria de Políticas para as Mulheres do Pará e do Tribunal de Justiça do Estado.  O encontro fez parte das ações do programa Mulher, Viver Sem Violência, do governo federal, iniciativa destinada a reforçar as estratégias de melhoria e rapidez no atendimento às vítimas da violência de gênero no Estado e ampliar a rede de serviços públicos por meio do Pacto Nacional pelo Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. A ideia é fiscalizar e ampliar os serviços públicos de segurança, justiça, saúde, assistência social, acolhimento e trabalho, emprego e renda. 

No mês passado, pesquisa divulgada pela Secretaria de Políticas para Mulheres apontou o Pará como o segundo Estado onde as mulheres mais ligaram para o disque-denúncia (180), informando casos de violência. Foram 809,44 telefonemas por 100 mil habitantes em 2013, perdendo apenas para o Distrito Federal, com 1.171,02 registros por 100 mil habitantes. “Os números mostram que as mulheres paraenses estão perdendo o medo de denunciar os crimes cometidos contra elas, mas só isso não basta. Precisamos de um Estado que, de fato, ampare essas mulheres para elas se sentirem seguras. Estejam elas no campo, nas águas ou nas florestas”, enfatizou Rosângela Rigo, secretária adjunta de Enfrentamento à Violência contra Mulheres.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *