Casarões da CDP saqueados e em ruínas
Abandonado há cerca de vinte anos pela Companhia Docas do Pará, o casarão que até o início dos anos 2000 servia como...
Ver mais
Perigo quando as águas azuis do Tapajós ficam verdes
O Tapajós, já reconhecido como o mais belo rio do mundo, é um dos maiores da Amazônia e às suas margens...
Ver mais
As incríveis coleções do Museu Paraense Emílio Goeldi
Com importância singular nos campos científico, sociocultural e político, os acervos arqueológicos e etnográficos do Museu Paraense Emílio Goeldi, sediado em...
Ver mais
Previous
Next

O procurador-geral de Justiça César Mattar Jr. recebeu, ao lado do subprocurador-geral de Justiça Eduardo Barleta, do 2º subcorregedor-geral Geraldo Rocha; do presidente da Associação do Ministério Público do Pará (Ampep), promotor de Justiça Márcio Maués Faria, e do chefe de gabinete da PGJ, promotor de…

A roda de conversa “Novíssimas teses sobre a Cabanagem”, com o jornalista Sérgio Buarque de Gusmão, pesquisador e autor do livro “Nova História da Cabanagem: seis teses revisam a insurreição que incendiou o Grão-Pará em 1835”, o historiador Geraldo Mártires Coelho, professor titular aposentado da UFPA, e a cientista política…

O Ministério Público do Estado e o Ministério Público Federal criaram um Grupo de Trabalho Interinstitucional para tratar das questões envolvendo as comunidades quilombolas e populações tradicionais do Marajó, de modo articulado com o Grupo de Trabalho Agrário do MPPA e acompanhamento dos Centros de Apoio Operacional…

Figura na pauta da reunião virtual do Pleno do Tribunal de Justiça do Estado do Pará desta quarta-feira, 16, o julgamento de Processo Administrativo Disciplinar contra os juízes Raimundo Moisés Alves Flexa e Marco Antônio Lobo Castelo Branco. Em julho de 2019, circulou amplamente nas redes sociais gravação em áudio na qual o prefeito de…

Criança hostil e avessa a regras pode sofrer TOD

Sabem aquela criança de humor instável, desafiadora, hostil, teimosa, que não cumpre regras, está sempre arrumando confusão, não aceita ordens, não respeita os sentimentos dos outros, não se responsabiliza pelos erros que comete, não tem medo de ser punida e, mesmo sem motivo, vai contra os pais ou qualquer outra pessoa que representa alguma autoridade (professores, pessoas mais velhas), apenas para contrapor ou irritar?

Pois bem, pode se tratar de um tipo de transtorno disruptivo da infância chamado de Transtorno Opositor Desafiador (TOD). É um problema cada dia mais comum, que não depende de classe social, raça, credos, mas que tem muito a ver com o ambiente ao qual a criança está inserida. Quem diz isto é uma especialista em psiquiatria infantil e adolescência, Dra. Priscila Dossi.

A médica explica que a birra normal de criança (crise de choro e raiva, geralmente porque deseja muito alguma coisa e não pode ter) geralmente acaba bem antes dos 4 anos de idade, quando já dá para entender o que é certo e errado. E alerta os pais para que fiquem atentos, pois quando isso não é corrigido cedo, ao chegar a adolescência os problemas serão maiores, inclusive com o risco de envolvimento com uso de álcool e drogas e atitudes delinquentes.

O TOD é detectado geralmente na idade escolar, podendo surgir ou se intensificar na adolescência. As causas, conforme a psiquiatra, não são exatas, mas podem ser combinações entre predisposições neurobiológicas e genéticas, fatores de risco psicológicos e disfunções no ambiente social ou familiar. Apesar disso, a criança é capaz de socializar, ter amigos e colegas da mesma faixa etária.

A Dra. Priscila Dossi completa: “É preciso lembrar também da grande influência comportamental: pais muito inconsistentes entre si, que não têm atitudes conjuntas em relação à criança, acabam propiciando um ambiente em que ela se tornará cada vez mais opositora. É muito comum as situações em que um dos pais acaba desautorizando o outro na frente dos filhos. Por exemplo, quando pedem para que a mãe a deixe ficar no celular na hora do almoço ou antes de fazer as tarefas escolares, e a mãe diz não, então pedem a mesma coisa para o pai, que diz sim, autorizando a fazer aquilo que a mãe proibiu. Essa dinâmica só piora o problema e, nesse caso, é preciso terapia para o casal. Na minha opinião esse é o ponto principal; de nada adianta tratar a criança se os pais não passarem por um tratamento também.”

O diagnóstico é feito por critérios clínicos. O tratamento geralmente consiste em sessões de psicoterapia individual e com os pais ou familiares, além de medicamentos receitados e acompanhados por um psiquiatra infantil, conforme a necessidade do caso.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar