Se depender do procurador regional eleitoral substituto, José Augusto Torres Potiguar, o senador Zequinha Marinho(PSC) e seus suplentes Arlindo Penha da Silva e Marinho Cunha terão os mandatos cassados pelo Tribunal Superior Eleitoral, assim como a suplente de deputada federal Júlia Marinho (PSC), esposa de Zequinha Marinho,…

No dia 6 de maio deste ano, o artista Eduardo Kobra inaugurou o mural “Coexistência – Memorial da Fé por todas as vítimas do Covid-19”, feito inicialmente em uma tela, no ano passado. Com 28 metros de largura por 7…

Desde o registro oficial do 1º caso confirmado de Covid-19, em 26 de fevereiro de 2020, o Brasil superou a trágica marca de meio milhão de mortos e quase 18 milhões de infectados confirmados, na tarde de 18 de junho de 2021, conforme…

Já estão conclusos à relatora no Supremo Tribunal Federal, ministra Rosa Weber, os autos da ADPF 848/DF - Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental, com pedido de medida cautelar, proposta pelos governadores do Distrito Federal e dos Estados de Alagoas,…

Pro dia nascer feliz

Pro dia nascer feliz – cantou um dia Cazuza – o mundo inteiro acordar e a gente dormir. Não que a canção não faça mais sentido, porém madrugar para ver o sol nascer do meio do rio é um espetáculo imperdível. E não teve um só pelo do meu corpo que não se arrepiou quando recebi este vídeo, da minha longínqua e amada Belém, com o violonista Feliphe Bruno Cardoso a musicar a natureza em uma das vivências dos Canoeiros Eco Turismo.

De uns anos para cá virou “moda” remar – em suas mais diversas modalidades – em Belém e esta é uma moda que eu espero que nunca acabe. Cresci em uma cidade que além de virar de costas para as suas maiores preciosidades, seus rios, o poluiu indiscriminadamente e não aproveitava o seu potencial de lazer, turismo e transporte urbano. Muito lentamente voltamos a cair nas águas de onde viemos e a prática do remo e da canoagem é uma das responsáveis por esta reocupação consciente.

Desde 2013 o Nedson Rosa, idealizador e instrutor dos Canoeiros, ensina pessoas a remar e as leva para descobrir (ou redescobrir) a cidade muito além dos pontos turísticos: o foco é conhecer as comunidades e seus modos de vida, interagindo profundamente com a natureza. Nessas vivências imperam o espírito de fraternidade, cooperação e valorização da cultura dos ribeirinhos que habitam as margens dos rios, fomentando e criando possibilidades para um turismo de base comunitária, sempre com a sustentabilidade e a preservação ambiental das ilhas da região metropolitana de Belém – como as ilhas do Combú e Murutucum – em primeiro plano. 

Toda vez que eu tomo o famoso café na cuia no quintal de algum ribeirinho eu descubro uma Belém que me estarrece não conhecer o tanto que eu gostaria, uma família que persevera, que merece com que façamos a nossa parte como cidadãos e lutemos para que tenham seus diretos cumpridos. E também me emociono com a capacidade de o desporto gerar tantas coisas boas, como o espírito de solidariedade (é de praxe todos os participantes das remadas levarem doações para estas comunidades que têm de carência material o inverso de suas capacidades de simpatia e sorriso) e a consciência ambiental. Aliás, vários grupos de remo fazem o trabalho voluntário de recolhimento de resíduos nos rios de Belém. Eu já vi de perto e é assustadora a quantidade de lixo. Mas isto é assunto para (muitas) outras horas. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *