A Prefeitura de Belém está convidando os moradores da Cidade Velha à Consulta Pública sobre a reforma e revitalização do prédio ao lado da Igreja da Sé, onde por muito tempo funcionou a Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel).…

As eleições de 2022 coincidem com o bicentenário da Independência e os 90 anos de conquista do direito do voto feminino, ocorrida em 24 de fevereiro de 1932. Durante todo o Império, as brasileiras não puderam votar e somente 43…

O Ecomuseu da Amazônia, da Fundação Escola Bosque (Funbosque) promoveu no domingo, 25, na Ilha de Cotijuba, o roteiro patrimonial, pelo encerramento da 16ª Primavera dos Museus. Os visitantes conheceram o pólo do Ecomuseu, a história de Cotijuba, que passa…

A prefeitura de Portel, em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, lançou na sexta-feira passada (23) o projeto Marajó Sustentável, aliado ao Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Seringueira no Estado do Pará…

A ação do FGTS

Todos os trabalhadores brasileiros que mantiveram um ou mais contratos de trabalho regidos pela CLT, de 1999 a 2013, têm, em tese, direito à correção dos valores depositados a título de FGTS.
Providencie o extrato da sua conta do FGTS – pode ser obtido aqui e procure a assessoria jurídica do sindicato de sua categoria ou um advogado de sua confiança. No caso dos coleguinhas jornalistas parauaras, procurem o Sinjor-PA (rua Diogo Móia, 986, entre 14 de Março e Alcindo Cacela, telefone 91- 3246-5209). 

Considerando que as ações dificilmente ultrapassarão o teto de 60 salários mínimos, elas poderão ser ajuizadas perante os Juizados Especiais Federais Cíveis, onde o rito é mais célere e a possibilidade de recursos é limitada. A prescrição é de 30 anos para discutir direitos decorrentes do FGTS, mas o julgamento da matéria está pendente no STF, que poderá diminuir o prazo prescricional radicalmente, o que aponta a necessidade de correr o quanto antes. 

Em 1991, a lei definiu que a Caixa aplicaria sobre o valor depositado no FGTS a correção com base na Taxa Referencial (TR), mais 3% ao ano. Ocorre que, desde junho de 1999, houve a redução da TR em relação à inflação anual e, consequentemente, perda aos trabalhadores. Assim, o dinheiro nas contas do FGTS foi murchando tanto nesses anos que em setembro de 2012 não existia mais correção no dinheiro do trabalhador. O dinheiro evaporou.

A ação corresponde, então, ao período de 1999 a 2013, e pode ser ajuizada por aposentados ou não aposentados, demitidos ou mesmo aqueles que tenham sacado o FGTS, podendo ser restituídos de até 88,3% de seu FGTS, de acordo com o período em que teve os valores depositados. 

O gancho é a recente decisão do STF que considerou inconstitucional utilizar a TR para fazer a correção monetária. Logo, se a aplicação da TR trouxe prejuízo real aos titulares da conta, deve-se proceder à correção monetária utilizando o INPC, ou sucessivamente, IPCA ou qualquer outro índice que efetivamente recomponha o valor. 

Os processos estão sendo ajuizadas em face da Caixa Econômica Federal por ser o banco gestor do sistema (Súmula 249 do STJ), e dependendo do valor tramitarão no Juizado Especial Federal, se a soma não ultrapassar 60 salários mínimos ou nas Varas da Justiça Federal, caso ultrapasse na data da propositura da ação.
Em regra, deverão ser recolhidas as custas processuais. Contudo, o pedido de concessão dos benefícios da Justiça Gratuita tem sido aceito pelas Varas Federais, desde que comprovada a falta de condições de arcar com os custos do processo.

Mãos à obra e boa sorte!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *