Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

TRF1 recebeu denúncia do MPF contra vice-governador

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região recebeu denúncia  feita pelo Ministério Público Federal em 2015 contra o vice-governador Zequinha Marinho, por exigir que os servidores que exerciam cargos comissionados em seu gabinete  contribuíssem com o percentual de 5% sobre o valor da remuneração de cada um ao partido, o PSC, nas legislaturas 2007/2011 e 2011/2015, quando era deputado federal. Em dezembro de 2014, ele renunciou ao mandato para assumir o cargo de vice-governador do Pará a partir de 1º de janeiro de 2015. 

O art. 31, inciso II, da Lei nº 9.096/95 (Lei dos Partidos Políticos), proíbe que servidores ocupantes de cargos comissionados façam contribuição ou auxílio pecuniário ou estimável em dinheiro a partidos políticos, o que foi reforçado pela Resolução TSE 22.025/2005 e Resolução TSE 22.342/2014, art. 12, § 2º. 

O processo nº 0009603-10.2015.4.01.0000/PA será julgado na 2ª Seção do TRF1. Se condenado, Zequinha Marinho poderá perder o cargo, ficar inelegível para o período remanescente e nos próximos oito anos ao término do mandato, ter os direitos políticos suspensos enquanto perdurarem os efeitos da condenação, além de ter que ressarcir aos cofres públicos o valor pago pelos servidores ao PSC, devidamente corrigido.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *