A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Segurança da navegação na Amazônia

O acidente que fez parte da ponte sobre o rio Moju, na Alça Viária, desabar, é mais um grande sinal de alerta. Desde que foram construídas, as pontes já sofreram vários albaroamentos em seus pilares. Isto porque a sinalização náutica é constantemente furtada e as balsas que navegam na área acabam errando o canal, principalmente à noite. Em relação à ponte do Outeiro é a mesma coisa. Já foi várias vezes interditada por conta dos choques com embarcações que ameaçaram sua estrutura.  É preciso encontrar uma solução que garanta a segurança da navegação e a dos motoristas que trafegam nas pontes. Do jeito que está a situação não pode continuar. Trata-se de uma tragédia anunciada. 

Hoje, uma equipe de peritos criminais do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves ficou de periciar a balsa da CNA – Companhia de Navegação da Amazônia, que presta serviços à Agropalma e fazia o transporte de 900 toneladas de óleo de dendê, desde o porto da indústria, no alto rio Moju, até a orla de Belém, na rodovia Arthur Bernardes. Uma reconstituição dos fatos deverá ser realizada nos próximos dias. A embarcação foi levada, ontem, por volta de 22:30h, sob escolta policial, ao porto do Grupamento de Polícia Fluvial, onde o delegado Felipe Schmidt instaurou inquérito e tomou  depoimentos. 

A versão apresentada pela tripulação foi de que a corrente hidráulica do leme, usada para manobrar a balsa, teria se rompido já às proximidades da ponte, o que fez com que ficasse à deriva e, assim, acabasse colidindo com um dos pilares de sustentação da ponte.  Ezequias Pinheiro, 61 anos, o comandante, disse que no momento da colisão acabara de sair do plantão e estava no camarote. A embarcação era pilotada pelo imediato e contramestre Paulo Ronaldo Sousa. Após o rompimento da corrente do leme, a balsa foi empurrada pela maré em direção ao pilar da ponte, causando a colisão. Com o impacto, relatou o comandante, houve a quebra do pilar, que acabou por desabar. Ao perceber o que havia ocorrido, Ezequias Pinheiro disse que, de imediato, seguiu em outra embarcação em direção à estrada, para sinalizar aos motoristas. Depois que a corrente do leme foi consertada, a balsa seguiu viagem até seu destino. O comandante contou, ainda, que conhece bem a região, pois navega cerca de quatro vezes por semana no local. 

A balsa deveria passar pelo vão central da ponte, situada em um trecho de largura superior a 80 metros. Mas foi projetada para outro vão, que tem entre 30 a 40 metros de largura. O local da colisão já foi periciado e o inquérito policial vai investigar  se houve dolo eventual por parte do piloto da balsa, para fins de responsabilidade criminal, além da responsabilização na área cível. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *