O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

Sax e Trombone na Sala de Audiências

Victor Hugo já dizia que a música “é o verbo do futuro. A música está em tudo. Do mundo sai um hino”.

Quando o avião pousou em Santarém era julho.

O sol flamejava no firmamento colorido de papagaios a guinarem no azul daquela manhã.

Tomei o taxi do meu amigo e companheiro de serviço militar, o Rui, filho de um dos mais tradicionais motoristas de taxi da cidade, o Moa.

Já estavam me esperando para as audiências da manhã.

Entrei apressado e fui fazer a necessária concentração para iniciar o trabalho do dia.

Vinha tirar as férias do excêntrico doutor Reinaldo Teixeira, um dos mais dignos e competentes magistrados que já passaram pela Justiça do Trabalho, no Pará.

Dias após, o Tribunal mandou para tentativa de conciliação um Dissídio Coletivo que envolvia o Sindicato dos Estivadores.

Dr. Arthur Seixas, Presidente na ocasião, telefonou-me pedindo o máximo de empenho para conseguir um acordo, que estava sendo uma solução bastante difícil.

Iniciada a audiência, os representantes de ambas as partes nem se olhavam de tanta animosidade. Tentei argumentar, persuadir, o tempo passando e meus esforços estavam sendo inúteis.

Foi quando tive a ideia salvadora. Lembrei-me do cidadão que ocupava a presidência do sindicato há bastante tempo. Mandei chamar o tal dirigente sindical.

E quase nem demorou. O segurança me perguntou se o homem que estava de bermudas, camisa aberta no peito, mãos sujas e calejadas, calçando sandálias podia entrar na sala de audiências.

Autorizei, ele entrou e foi logo dizendo, surpreso:

  • Oi, Zé, tu por aqui, mano?

Se alguém ali na sala de audiências estava esperando que eu me zangasse por não ser tratado de “Excelência” e outros salamaleques, enganou-se. Respondi:

  • Fala Anselmo, mandei te chamar. Entra aqui no meu gabinete.

Levei-o para o ar condicionado, onde trocamos um afetuoso abraço, tomamos cafezinho, conversamos sobre amenidades. Em seguida chamei a parte contrária também e resolvemos a pendência. Quando voltamos à sala de audiências o preposto do sindicato nos esperava “com cara de mau”.

Ele chamou o dito cujo e disse:

  • Pode fazer tudo o que o Zé mandar. É pra fazer acordo!

Aquele foi um dos momentos mais felizes que já tive como profissional do Direito.

Lembrei-me com uma doce saudade da Filarmônica Professor José Agostinho (meu avô), onde toquei desde menino, das procissões, dos desfiles cívicos sob sol e chuva, das tocatas no Coreto e constatei que a amizade pode ser duradoura e, com certeza, tem o poder de ajudar a fazer a paz entre os seres humanos de boa vontade.

Quando ia saindo meu amigo recomendou:

  • De noite não esquece o ensaio da banda!

Fui deixá-lo na porta da saída, com todas as honras de estilo. Afinal de contas, não é todo dia que um Trombonista Estivador e um Saxofonista Juiz se encontram na Justiça do Trabalho para resolver um Dissídio Coletivo.

Cheio de utopia fiquei imaginando que a vida seria melhor se todos os litigantes e julgadores tivessem tocado em uma Banda de Música

*O artigo acima é de total responsabilidade do autor.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *