0

Quando vim pela primeira vez a Belém, eu tinha mais ou menos quatorze anos.
Fiquei ali na casa da minha tia, Rosinete Altman,
na O de Almeida.
O centro da cidade foi um deslumbramento.
Eu nao sabia que o Senador Lemos havia considerado a Paris do Norte e com toda as razões.
Edifícios, os ares de belemitas me pareciam, sei lá, com a capital francesa, que eu nunca tinha visto nem as fotografias.
Então, agora há pouco, fiz a BELÉM PARISIENSE, em homenagem a cidade que me cativou, não pelo paraensismo, mas, não sei o motivo dos eflúvios de Paris.
Me lembro: dedico a memória do João Carlos Pereira.
Escutem.

José Wilson Malheiros
Magistrado do Trabalho Aposentado, Advogado, Músico, Poeta, Compositor, Instrumentista, Professor, Jornalista, Diácono e Escritor.

Proteção ao consumidor é potoca no Pará

Anterior

Monte Alegre elege prefeito “tampão”

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *