0


(Vendo o jornal na televisão)
José Wilson Malheiros

Quem são essas hordas venais
Que usam laminas afiadas,
Brucutus em avalanches,
Estuprando a floresta?

Quem são esses verdecidas
Que amordaçam pássaros,
Riem da fauna imolada
E envenenam cursos d’água?

Quem são esses bandoleiros
Que sepultam indígenas,
Promulgam os próprios códigos
E a jurisprudência da morte?

São os mercenarios de Mamon,
Os que plantam inconsequências,
Os predadores da terra arrasada,
Os que castram o futuro.

Lágrimas na Amazônia…
Um lamento do tamanho do mundo…
Verde calvo, águas intoxicadas,
Aniquilamento de vidas e de sonhos…

Troncos amputados parindo cifrões
E a vida emigra no rumo do nada.
Fortunas reluzem, selvas ressecam,
E a natureza ameaça cerrar as cortinas

Aproximam-se, talvez, os últimos atos
Desse apocalipse anunciado,
O derradeiro suspiro de uma era,
O holocausto da Amazônia.

José Wilson Malheiros
Magistrado do Trabalho Aposentado, Advogado, Músico, Poeta, Compositor, Instrumentista, Professor, Jornalista, Diácono e Escritor.

Os entraves da cultura e a Revolução Iraniana

Anterior

Ivanilson Raiol assumirá Promotoria Militar do MPPA

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *