Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Perdão, leitores!

Ontem, ao publicar com exclusividade o post sobre a admissão do Pará na ação cível originária nº 2941, que trata da repatriação de recursos, cometi um erro, ao informar que fora concedida pelo STF a liminar pleiteada, no sentido de o governo federal compartilhar com os Estados a multa recebida no programa de regularização de ativos no exterior. Foi uma única palavra – a liminar – mas contaminou o texto, cujas informações estavam rigorosamente corretas. Não percebi de imediato. Só quando o juiz do Trabalho Carlos Zahlouth, com sutileza e educação, me perguntou, no Twitter, “obteve liminar?”, é que a luz amarela, e logo a vermelha, acenderam os meus dois únicos neurônios, o Tico e o Teco. Afinal, como se sabe, sou loura. E então verifiquei e tratei de corrigir o erro, morrendo de vergonha de todos os leitores, principalmente dos meus ex-professores dos cursos de Direito e de Jornalismo. Peço perdão a todos, embora saiba que foi imperdoável, execrável mesmo. 

O erro é uma espada pendente sobre a atividade jornalística. Tudo conspira para que ele ocorra. Não à toa, ranking do site CareerCast (www.careercast.com/), divulgado em 22 de abril deste ano, indica que repórter é considerada a pior profissão do mundo, à frente da de lenhador, que vem em segundo lugar. Mas é uma profissão que amo. E tenho por certo que é melhor credibilidade do que instantaneidade. Penitencio-me. Aceito todas as reprimendas e puxões de orelha que mereço.

Quanto à ação no STF, os autos estão conclusos ao relator, ministro Luiz Roberto Barroso. E hoje o Estado de Tocantins, que funciona como amicus curiae, peticionou.

Também conhecida como repatriação, a regularização de ativos mantidos no Exterior e não declarados à Receita Federal prevê o pagamento de 15% de Imposto de Renda e de 15% de multa em troca da anistia ao crime de evasão de divisas. A Constituição estabelece que os Estados automaticamente ficam com 21,5% do IR e os municípios com 23,5%. A partilha das multas, no entanto, não está especificada. O Pará e outros 19 Estados entendem que tanto o artigo 160 da Constituição quanto o artigo 113 do Código Tributário Nacional asseguram que as multas também devem ser divididas com os Estados e municípios. 

O procurador Aloysio Cavalcante Campos, que já foi titular da Procuradoria Geral do Pará, cuida do caso em Brasília. Cliquem aqui para acompanhar a movimentação processual.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *