A juíza Sara Augusta Pereira de Oliveira Medeiros, titular da 3ª Vara Cível, Infância e Juventude, Órfãos, Interditos e Ausentes de Castanhal (PA) exarou uma sentença emblemática, em plena Semana da Pessoa com Deficiência: obrigou a Escola Professor Antônio Leite…

Observando que é irracional o deslocamento de grande quantidade de pacientes em busca de tratamento, o Ministério Público do Pará ajuizou Ação Civil Pública contra o Estado do Pará e o Município de Marabá, para a criação de Unidade de…

O governador Helder Barbalho sanciona hoje à noite, em cerimônia no auditório do Centur, o 'Vale Gás' e o 'Água Pará', destinados a famílias de baixa renda ou em situação de vulnerabilidade social. Ambos serão gerenciados e fiscalizados pela Secretaria…

Ciclistas liderados pelo grupo Pedal Mulher Nota 100, com apoio de alunos e voluntários da Universidade Federal do Pará e da Academia Paraense de Jornalismo, realizarão uma performance, nesta quinta-feira (23), das 8h às 10h, a fim de chamar a…

NO CURUÇAMBÁ

Antes de vir para a capital, passei dois meses como juiz na Vara de Óbidos, no interior do Pará.

Foi um grande prêmio que recebi.

Nunca esqueci aqueles banhos no igarapé do Curuçambá.

O sábado nos abria as comportas do paraíso: sol, vento, guaribas berrando na mataria ao redor, o canto dos pássaros, peixe fresquinho, pescado e assado na hora, cervejinha no ponto, tudo era tranqüilidade de se esquecer do mundo e aproveitar a vida.

Mordomia mais apurada do que o melhor dos hotéis de Paris. Nem precisava geladeira. Bastava enfiar as garrafas na areia do fundo.

A água fria nos banhava de felicidade.

Uma vez por dia lá vinha ele chegando para perto das pessoas, na maior sem-cerimônia, receio nenhum. Era só ficar batendo a colher no prato.

Não sei se o nosso convidado tinha algum nome. Na verdade, era um grande comilão, esse peixe-boi. Adorava restos de comida e cosquinhas na costa.

Depois saía de mansinho e sumia no fundo d’água. Acho que era solteirão, pois andava sempre sozinho.
…E a gente de bubuia, naquele doce fazer nada, curtindo a natureza e a vida.

Engarrafamentos no trânsito, buzinas, poluição, paletó, gravata? Nem pensar.

Elevadores apertados e atrasados, pressa, relógios, síndicos, sinais de trânsito, assaltos? Esquece!

Ar condicionado, memorandos, protocolos, carimbos, shopping-center, roupas de grife, uísque falsificado, lutas pelo poder? Nem pensar!

Não que eu seja avesso às coisas modernas e às comodidades do mundo atual. Mas, no meio da natureza, qual a utilidade disso tudo?

A vida, por ali, caminha em linha reta, sem as curvas e contorcionismos da cidade.

Vez ou outra a gente precisa de um refúgio desses. E haja sol, água deliciosa, bons papos, paisagem etc.
O nosso amigo manatim (peixe-boi) havia sumido já fazia algumas horas. Só voltaria no dia seguinte, para esperar a colher no prato e a comilança.

Portanto, não poderia ser ele que se aproximava.

E não era mesmo. Levamos o maior susto.

Há poucos metros de onde estávamos tomando banho, uma cobra sem tamanho vinha deslizando pelo fundo, em nossa direção, acompanhando o correr da água.

Na hora cheguei a pensar que era a famosa Cobra Grande que até hoje, dizem, dorme por debaixo do Altar Mor da Igreja de Santana.

Vai ver que ela havia acordado e agora vinha nos devorar, para tentar aplacar a fome centenária.
Era uma sucuri! Ou surucijú, para outros.

Ficamos parados. Silêncio de respeito e de pavor. Para sorte nossa não era a Boiúna da igreja matriz, mas era descomunal. Acho que ela já estava de barriga cheia, graças a Deus!

Passou por nós, cheia de majestade, como se fosse um imenso trem e continuou seu caminho para dentro dos igapós. Por cautela, acabamos com a diversão e fomos embora.

Assim é a vida. Para quem não sabe viver ela é que nem uma sucuriju que enlaça e leva para o fundo do rio das amarguras.


Mas é melhor que a existência seja uma manhã de ouro nas águas cheias de magia da beira de um igarapé. A escolha é sua.

*O artigo acima é de total responsabilidade do autor.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *