A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Loteamentos em Salinas na mira do MPF e AGU

O MPF e a AGU ajuizaram ações contra a Costa Atlântica Incorporadora – responsável pelo Jardim Vale do Sal, que tem 2,5 mil lotes –  e a Salinópolis Comércio e Empreendimentos – do Raízes Marina Residence, que tem 2 mil lotes  – ambas localizadas na Estrada do Atalaia, em Salinópolis, no litoral do Pará, pelo não atendimento da legislação ambiental. Além de não terem licença nem a documentação obrigatória, os empreendimentos estão assoreando manguezais.
 
O procurador da República Bruno Araújo Soares Valente e o advogado da União Denis Gleyce Pinto Moreira pedem à Justiça Federal em Castanhal que determine a suspensão das obras enquanto os projetos não estiverem regularizados e que as construtoras sejam condenadas a recuperar as áreas degradadas.
O município de Salinópolis também está sendo acionado, porque expediu licença ambiental para o empreendimento sem ter essa competência.
 
Apesar de o projeto ter sido licenciado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente em 2012, em maio deste ano o Centro de Perícias Científicas Renato Chaves identificou uma série de irregularidades. Foi registrada a sedimentação de mangues e a retirada ilegal de floresta nativa.
Além disso, faltam documentos obrigatórios, tais como projeto ambiental com Anotação de Responsabilidade Técnica (ART); projeto do sistema de tratamento e destinação final dos resíduos sólidos, efluentes líquidos e emissões atmosféricas com ART; programa de prevenção de riscos ambientais com ART; projeto de esgotamento sanitário com ART; e outorga para uso de água subterrânea.
 
 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *