Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Justiça para a Irmã Dorothy Stang

Prevaleceu a tese defendida pelo promotor
de justiça Edson Cardoso de Souza e o fazendeiro Vitalmiro Bastos de Moura, o
Bida, foi condenado pela co-autoria de homicídio
duplamente qualificado, por encomenda mediante promessa de recompensa e por
meio que dificultou a defesa da vítima – de “forma fria, corvarde e premeditada” -, a missionária
norte-americana
Dorothy Mae Stang, 73 anos.
A pena de 30 anos deverá ser cumprida em regime inicialmente fechado. O condenado
também terá que arcar com o pagamento das custas do processo.  
Depois de 15 horas de julgamento, já
era perto da meia-noite quando o juiz Raimundo Moisés Alves Flexa, presidente
do 2º Tribunal do Júri de Belém, proferiu a sentença condenatória de Bida, 43
anos. Os irmãos da Irmã Dorothy, amigos e integrantes de movimentos sociais 

que acompanharam o júri festejaram a decisão.
O promotor de justiça Edson Cardoso de
Souza,  que há oito anos cuida do caso, e
que se destacou em outros julgamentos de repercussão internacional, como os dos
assassinatos do sindicalista Expedito, dos lavradores irmãos Canuto e do
deputado João Batista, foi muito cumprimentado pelo seu esforço e competência. Sustentou
oralmente toda a acusação sozinho, enquanto a banca de advogados do réu se
revezava na defesa.
Para o experiente promotor, a estratégia da defesa acabou
sendo um tiro no pé. “O
ex-policial federal Luiz Fernando Raiol, que diz que Bida é inocente,
não tem a menor credibilidade. Ele é um
condenado por extorsão, por um juiz
federal muito sério e correto, o juiz Rubens Rollo, além do que há fotos dele
almoçando com Bida. Aliás, o próprio Raiol admitiu ter se tornado amigo próximo
de Bida
. E tanto a família de Dorothy quanto integrantes da congregação Irmãs
de Notre Dame Namur, à qual pertencia a missionária, negaram que Raiol foi
segurança de Dorothy, e alegaram que ele não tinha sequer proximidade com ela.
A missionária Rebeca Spires inclusive prestou depoimento sobre isso
.”
Durante o libelo
acusatório, o promotor Edson Cardoso acusou o fazendeiro de pagar, além dos
prometidos R$50 mil pela morte de Dorothy, R$ 10 mil para que os executores do
crime mudassem o depoimento e o inocentassem na fase judicial do inquérito.
Além de Bida, também
responde como mandante do crime o pecuarista Regivaldo Pereira Galvão, o
Taradão. Ele também é acusado de prometer recompensa para quem matasse a
missionária, foi condenado a 30 anos de prisão em outubro de 2011, recorre da
decisão para tentar anular o júri
e aguarda julgamento.
Amair Feijoli da Cunha, o Tato, foi
condenado a 18 anos de prisão como intermediário do crime. Cumpre prisão
domiciliar. Raifran das Neves Sales, condenado a 27 anos de prisão por ser
assassino confesso de Dorothy Stang, deixou o regime fechado para cumprir o
restante da pena em prisão domiciliar em julho deste ano. O promotor Edson
Cardoso de Souza contou, durante o julgamento, que já deparou com ele duas
vezes, uma na rua, acompanhado de uma namorada, e outra, em um supermercado de
Belém. Clodoaldo Carlos Batista, acusado de ser comparsa de Raifran, foi
condenado a 17 anos de prisão, mas fugiu da Casa do Albergado, em Belém, em fevereiro de 2011.

O procurador da República
Felício Pontes, do MPF; o padre Paulo Joamil da Silva, da Comissão Pastoral da Terra; a irmã Henriqueta
Cavalcante, a advogada Mary Cohen e eu, pela Comissão Justiça e Paz da CNBB
Norte II, acompanhamos o julgamento, além de outras entidades ligadas
aos direitos humanos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *