Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Julgamento de Bida na reta final



Saí há pouco do Fórum criminal de
Belém. O julgamento do fazendeiro Vitalmiro Bastos de Moura, o Bida, já dura
mais de doze horas e a previsão é que encerre perto da meia-noite. A sessão foi
aberta às 8h da manhã, no salão do júri, que desde cedo ficou lotado de familiares
da Irmã Dorothy Stang, religiosos, advogados, jornalistas, estudantes, representantes
de movimentos sociais e pessoas vindas inclusive de Anapu e Pacajá. 

Oito testemunhas foram ouvidas, três
delas arroladas pela acusação e as demais pela defesa do réu. Um dos depoentes
foi o delegado da Polícia Civil Waldir Freire Cardoso, que presidiu o inquérito
policial que apurou o assassinato da missionária.  Ele ratificou a
conclusão da investigação que apontou os mandantes do crime.
A grande “bomba” anunciada
pela defesa do réu é o ex-policial federal Rayol, condenado por fraude pelo
juiz federal Rubens Rollo, que cumpre sentença em regime fechado. Ele afirmou
ter sido segurança de Dorothy e disse que, durante as investigações, por
ocasião do depoimento de Bida na PF, teria sido declarado que o policial
Marcelo Luz é quem teria dado a arma usada no crime para Amair Feijoli Cunha, o
Tato, que por sua vez a repassara a Rayfran Sales, o executor do crime.
Por sua vez, Tato mais uma vez mudou
sua versão da história, alegou ter sofrido pressão para se beneficiar com a
delação premiada e inocentou Bida. O pistoleiro Raifran Sales também negou os depoimentos
prestados à Justiça e – vejam só! – disse que matou a religiosa, que estava com
uma Bíblia nas mãos, por sentir medo
dela. Depois de ser ouvido, Amair Feijoli, o Tato – que cumpre prisão
domiciliar – ficou no plenário, junto à primeira fila, assistindo ao depoimento
de Bida. E foi sentar justamente atrás dos irmãos da Irmã Dorothy. Quando fui
fazer a foto para registrar o acinte, ele cobriu o rosto.
  
Em seu interrogatório, o fazendeiro
Vitalmiro Moura negou qualquer envolvimento com o crime. Mas admitiu que o
executor Raifran Sales e seu ajudante Clodoaldo foram à sua fazenda
imediatamente após o assassinato. E disse que, quando soube, expulsou-os.
Confirmou, também, que no dia seguinte voltou a encontrar os dois em suas
terras, e disse que de novo mandou que sumissem de lá. Interessante que, ainda
que se considerasse não ser ele um dos mandantes, seu depoimento certamente foi
a confissão do cometimento um crime, já que, ao tomar conhecimento de um assassinato,
ao invés de dar voz de prisão ao autor do homicídio e chamar a polícia, como
seria o seu dever, mandou e facilitou a fuga.
O promotor de justiça Edson Augusto de
Souza fez uma bem fundamentada exposição, explicitando a motivação de Bida e o
nexo causal do crime. Mostrou muitos documentos, chegando a ler vários deles, nos
quais Irmã Dorothy denunciava incansavelmente Bida e Regivaldo Galvão, o Taradão,
por atos de violência na disputa pela terra. Dorothy Mae Stang foi assassinada
a tiros no município de Anapu, no sudoeste paraense, no dia 12 de fevereiro de
2005, porque representava uma ameaça aos interesses de grileiros da região. Ela
combatia o desmatamento da floresta e defendia o assentamento de colonos nas
área rurais públicas para implantação de um PDS – Programa de Desenvolvimento
Sustentável.
Exemplificou com os casos do jornalista
Tim Lopes, da juíza Patrícia Acioli e da noiva do goleiro Bruno, Elisa Samudio,
cujas mortes tiveram a autoria intelectual esclarecida a partir da delação premiada
e da colaboração de envolvidos nos próprios crimes.
Durante uma hora e meia o promotor Edson
Cardoso de Souza sustentou a acusação de que Bida é um dos mandantes e que pagaria
juntamente com Regivaldo Galvão, o Taradão, R$50 mil pela morte de Irmã
Dorothy. Bida olhava para seus advogados, Eduardo Imbiriba, Arnaldo Lopes e
Paulo Dias da Silva, e sorria.
A defesa do réu está agora finalizando
a sustentação da tese de negativa de autoria, que incluiu uma verdadeira
desconstrução da imagem de Irmã Dorothy. Durante uma hora e meia, boa parte do
tempo foi gasta atacando a reputação da missionária, que foi tachada de
invasora de terras.
O promotor de justiça Edson Cardoso de
Souza voltará à tribuna para a réplica e haverá tréplica. Depois, os jurados reunirão
na sala secreta para votar os quesitos formulados pelo juiz e, com base no
resultado, o magistrado prolatará a sentença, absolutória ou condenatória,
fixando a pena, se for o caso.
Por razões processuais, se Bida for
inocentado, não cabe mais recurso. Mas se for condenado, ainda poderá recorrer.
Espera-se que seja feita Justiça.
Merece registro o estranho silêncio do
MPE-PA a respeito de um julgamento tão importante e de repercussão
internacional. Não foi publicada uma linha sequer no site do Parquet.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *