O Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade anunciou que vai reabrir no próximo dia 31 a Floresta Estadual de Trombetas, na Base do Jaramacaru, para a coleta da safra da castanha-do-Pará. Alega que discutiu a medida com a Secretaria…

Apesar de ser distrito insular de Belém, Caratateua - nome de origem Tupi Guarani que significa “Terra das Grandes Batatas” ou “Lugar das Muitas Batatas” (ali havia plantações de batata-doce em grande quantidade), com cerca de 80 mil habitantes distribuídos…

Primeira mulher a presidir – e ser reeleita com votação consagradora - a Tuna Luso-Brasileira, clube com 119 anos de existência, Graciete Maués, 72 anos, professora de Educação Física aposentada, assume interinamente a presidência da Federação Paraense de Futebol na…

A fiação elétrica emaranhada aos galhos de árvores na frente da Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, entre as ruas Padre Prudêncio e Aristides Lobo, no bairro da Campina, em Belém do Pará, é o retrato da…

COWBOYS E GIBIS

Quando estive em Santarém fui tomar a famosa garapa do Pequenino lá na Garapeira Ipiranga, hoje dirigida pelo Cacheado.

O mesmo sabor que hoje se transforma no agridoce das saudades…

Onde estão as broas, os rebuçados, os beijos-de-moça da Dona Nina, da Dona Rosa, doceiras da Praça da Matriz?
Ali adiante o velho coreto me olha e pergunta porque eu não toco mais na banda de música.

O Cinema Olímpia, onde a vida era sonhos e filmes em preto e branco, acabou.

Onde andarão os artistas e bandidos do velho oeste da minha infância?

Gene Autry, Roy Rogers e Trigger, Rocky Lane, Buck Jones, John Wayne, Rex Allen, Tex Ritter, Hopalong Cassidy, eram bons de briga e de tiro. Tinham os cavalos mais bonitos e sempre acabavam conquistando a mocinha. Mas às vezes iam embora, cantando e a deixavam chorando…

Ah, o cine Olímpia. “Seu Grilo” tomava conta da “geral”, mais na frente e ao preço de meio ingresso. Quando ficava escuro, na hora de começar o filme, a gente pulava para as cadeiras bem mais confortáveis.
Hoje eu fico pensando: cadeiras quebradas, pela barulheira (gritos histéricos, batidas de pé, socos no ar) que fazíamos na “hora da porrada” nos filmes de cowboy.

Se, de tão velho, o filme arrebentava, a luz acendia e começavam os gritos:

– Tá roubando… ladrão… ladrão!

Eu era maluco pra assistir os “filmes impróprios”. Nunca deixaram. Detestava “filme de amor”, achava que era coisa de mulher. Beth Davis, Humphrey Bogart? Nem pensar.

Era no Cine Olímpia, durante os famosos Vesperais, que ficávamos flertando as meninas, satisfeitos que só, se uma delas deixava, pelo menos, encostar o braço no escurinho do cinema.

Antes de começar o filme a gente trocava revistinha. Como eram saborosos os gibis dos cowboys, do Mandrake e Lothar, Superman, Capitão Marvel, Cavaleiro Negro, Zorro,Tonto e Silver, Fantasma e o cachorro Capeto, Tio Patinhas, Luluzinha, Pinduca…

Sentei-me no banco da Praça da Matriz e o sino tocou. Não resisti. Entrei na igreja e chorei junto da pia sagrada onde Frei Domingos me batizou, um dia.

Aquele templo me evocou os tempos ingênuos: cantar no coral, a primeira comunhão, as missas dominicais obrigatórias, tudo enfim se transportava ao presente pela mágica das recordações.

Quando saí da igreja olhei outra vez para o Coreto, ali na praça e na minha imaginação, parece que ouvi a Banda Municipal tocando uma valsa.

Meu saxofone fazia um solo e a melodia também se perdia no passado.

Agora, eu não mais sentia saudade. Uma imensa satisfação abraçou meu espírito e me fez sentir, mais uma vez, a alegria ter vivido em Santarém, quando ela era o meu paraíso, a liberdade do melhor dos mundos.

*O artigo acima é de total responsabilidade do autor.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *