Um pastor de igreja evangélica localizada no município de Breves, no arquipélago do Marajó, foi condenado a 39 anos de prisão por estupro de vulnerável, exploração sexual e por possuir e armazenar pornografia infantil, com o agravante de que ele…

Acionado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o Ministério Público Federal recomendou ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, medidas efetivas para que os responsáveis pelo edifício conhecido como Bloco B da Assembleia Paraense assegurem a manutenção emergencial do…

Na quarta-feira passada (22), operários e servidores ligados à execução da reforma e readequação do Palácio Cabanagem almoçaram com o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, que preferiu essa forma de reunião para agradecer pelo compromisso com o trabalho e…

Nunca reclamem de barreiras de fiscalização no trânsito. Graças aos agentes do Detran-PA um homem vítima de sequestro foi resgatado ileso ontem à noite, por volta das 23h, na rodovia BR-316. Conforme relato do coordenador de Operações do Detran-PA, Ivan…

Biodiversidade amazônica

Um prêmio, quatro edições e muitas histórias de jovens com um desafio em comum: investigar a natureza amazônica. É o que você vai conferir na mais nova produção audiovisual do Museu Paraense Emílio Goeldi – MPEG, a websérie “Os naturalistas do século XXI”, que estreou o episódio piloto no último dia 16, data do lançamento do Prêmio José Márcio Ayres para Jovens Naturalistas, promovido pelo Museu Goeldi e a Conservação Internacional. As inscrições para a 5ª edição do Prêmio estão abertas até 20 de agosto de 2012. Saiba mais aqui.
Dentre as histórias de estudos que poderão ser vistas na websérie, a diversidade de árvores da Praça Batista Campos, o consumo de açaí nas ilhas, as subfamílias de formigas em bairros periféricos, o comportamento das corujas em bairros de Belém.
Criado em 2003, o prêmio homenageia o cientista paraense José Márcio Ayres, biólogo especialista em primatas e biologia da conservação, que realizou estudos de grande importância para a conservação da biodiversidade amazônica. Descobriu nas matas de várzea da região do Mamirauá (AM) o Uacari-Branco, espécie de primata já considerada extinta na região e criou uma nova categoria de unidade de conservação. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *