Casarões da CDP saqueados e em ruínas
Abandonado há cerca de vinte anos pela Companhia Docas do Pará, o casarão que até o início dos anos 2000 servia como...
Ver mais
Perigo quando as águas azuis do Tapajós ficam verdes
O Tapajós, já reconhecido como o mais belo rio do mundo, é um dos maiores da Amazônia e às suas margens...
Ver mais
As incríveis coleções do Museu Paraense Emílio Goeldi
Com importância singular nos campos científico, sociocultural e político, os acervos arqueológicos e etnográficos do Museu Paraense Emílio Goeldi, sediado em...
Ver mais
Previous
Next

O procurador-geral de Justiça César Mattar Jr. recebeu, ao lado do subprocurador-geral de Justiça Eduardo Barleta, do 2º subcorregedor-geral Geraldo Rocha; do presidente da Associação do Ministério Público do Pará (Ampep), promotor de Justiça Márcio Maués Faria, e do chefe de gabinete da PGJ, promotor de…

A roda de conversa “Novíssimas teses sobre a Cabanagem”, com o jornalista Sérgio Buarque de Gusmão, pesquisador e autor do livro “Nova História da Cabanagem: seis teses revisam a insurreição que incendiou o Grão-Pará em 1835”, o historiador Geraldo Mártires Coelho, professor titular aposentado da UFPA, e a cientista política…

O Ministério Público do Estado e o Ministério Público Federal criaram um Grupo de Trabalho Interinstitucional para tratar das questões envolvendo as comunidades quilombolas e populações tradicionais do Marajó, de modo articulado com o Grupo de Trabalho Agrário do MPPA e acompanhamento dos Centros de Apoio Operacional…

Figura na pauta da reunião virtual do Pleno do Tribunal de Justiça do Estado do Pará desta quarta-feira, 16, o julgamento de Processo Administrativo Disciplinar contra os juízes Raimundo Moisés Alves Flexa e Marco Antônio Lobo Castelo Branco. Em julho de 2019, circulou amplamente nas redes sociais gravação em áudio na qual o prefeito de…

BICOS DE PÃO

Lá em casa, em Santarém, o único filho que nunca teve medo de cachorros sempre fui eu. 

Por isso, era sempre escalado para comprar pão, de manhã cedinho, na Padaria Soberana, do seu Antonico. 

Até que a distância não era assim tão grande. Mais ou menos uns cento e cinquenta metros. 

Mas o problema não estava na lonjura ou proximidade.  

O desafio era passar pela frente da casa do seu Maia Catraieiro, nosso vizinho e seu feroz guardião, o Retinido, um vira-latas cor de café com leite, muito atrevido.  

Ele marcava o território. Ninguém podia invadir os limites que ele traçava. Vinha latindo e mostrando a dentadura afiada. 

Quando papai ou mamãe nos mandavam na padaria, a pirralhada ficava em pânico.  

Para os medrosos, talvez a melhor solução fosse dar a volta pelo quarteirão, subindo o “morro da fortaleza” e descer pela saudosa escadaria. 

Mas na casa do seu Abelardo Gentil, no meio do caminho, existia outro vira-latas baixinho ainda mais estressado, o Mack. 

Então, geralmente, sobrava para mim.  

A Padaria Soberana era um ponto gostoso: vendia pão cacete, pão doce, bolacha cabeça de macaco, torradas etc. 

E como na época não havia um fogão decente para assar bolos de aniversário, lá ia eu levando a forma para ser colocada no forno a lenha. 

Além dos retinidos e macks do caminho, mulher não podia entrar no local onde estava o forno, que os padeiros eram “apresentados e enxeridos” e ficavam fazendo gracinha. 

Então, novamente eu era escalado. 

Na hora do café da manhã a briga era por causa do bico de pão. Nós adorávamos tirar o bico, passar manteiga, mergulhar no café.  

Os bicos faziam as delícias de nosso paladar de meninos. 

Meu pai, tentando acabar com a confusão diária, estabeleceu que cada dia o bico de seria de um filho. Um inusitado “revezamento de bicos”. 

E quem enfrentava os cães e ia todo dia à padaria?  

Eu mesmo, claro. 

Então, no caminho, eu já tirava logo uns dois bicos pra mim e guardava no bolso. 

Descoberta a tramoia, fiquei um bom tempo de castigo sem poder dar uma “bicada”. 

O trajeto de casa para a padaria não era feito apenas de cães. 

Tínhamos uns vizinhos excelentes, peruanos, evangélicos, com quem dividíamos a amizade e os folguedos infantis. 

Porém, eu era um menino “atentado”. 

No caminho para comprar pão, se um deles estava na porta da rua eu gritava: 

– Protestante, que caga na estante! 

Eles ficavam furiosos e retrucavam: 

– Católico Apostólico Romano, que caga uma vez por ano! 

E a amizade continua. Quando, raramente, nos encontramos, hoje em dia, nos saudamos com muito afeto e risadas, afinal de conta, existem momentos que são breves mas são inesquecíveis por toda a vida. 

*O artigo acima é de total responsabilidade da autor.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *