A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

Em ação civil coletiva do Sindicato dos Profissionais de Enfermagem, Técnico Duchista, Massagista, Empregados em Hospitais e Casa de Saúde do Estado do Pará, na qual o Ministério Público do Trabalho PA-AP atuou como fiscal da lei, a 2ª Vara…

Alepa lidera movimento Pará-Portugal

Apesar da linha aérea direta Belém-Lisboa, o espaço destinado a cargas nos aviões da TAP viaja vazio, e como são elas que sustentam os voos, estes correm o risco de redução da frequência ou de aumento dos valores das passagens. Para agravar a situação, de acordo com o presidente da Associação Comercial do Pará e da Faciapa – Federação das Associações Comerciais do Pará, Fábio Lúcio Costa, 70% da exportação brasileira de peixes ornamentais saem do Pará, mas são primeiro enviados para a região sudeste do Brasil. Nesse caminho, os empresários perdem, aproximadamente, 30% dos animais. 

A Câmara Portuguesa de Comércio no Pará existe desde 1911, a fim de promover investimentos na importação e exportação. Contudo, o volume de exportação do Pará a Portugal é praticamente zero. 

Para entender o porquê dessas distorções e tentar ajudar a fortalecer as relações comerciais entre os dois países, o presidente da Alepa, deputado Márcio Miranda, reuniu com os representantes do setor no governo e iniciativa privada, em uma conversa franca na qual foram identificados os nós da relação e apresentadas sugestões de como podem ser equacionados os problemas. 

Um novo encontro já está marcado para o próximo dia 05 de abril, quando outros atores já estão convidados pela Alepa a participar do debate, como por exemplo o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia, Adnan Demachki, a Federação das Indústrias do Pará, o Centro Internacional de Negócios, a Adapa -Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Pará e as empresas terceirizadas que cuidam das cargas, num esforço conjunto com a Faepa, Fiepa, Fecomércio, operadoras aéreas, agências de viagens e governo do Estado, de modo a viabilizar a exportação, principalmente, de cosméticos, biojoias, flores, frutos e sucos, que teriam mercado em Portugal, e a demanda de lá para cá de doces e frutas portugueses, que são fantásticos mas chegam muito caros e não conseguem competir.

Já está em curso um programa do governo do Estado em parceria com a prefeitura de Belém e entidades empresariais no sentido da internacionalização da economia paraense, de fortalecimento dos pequenos empreendimentos. Este semestre foram confirmadas duas missões empresariais a Portugal, com ênfase em alimentos e cosméticos, cujo potencial é considerado gigantesco no Pará.

E nos próximos dias 11, 2 e 13 de abril o staff do grupo empresarial lusitano Vila Galé vem a Belém para instalar duas unidades hoteleiras: um resort em Santa Bárbara e um empreendimento nos moldes dos que já exite em Salvador(BA), em prédio histórico na capital. O empresariado parauara está trabalhando para que os portugueses tragam seus produtos da grife Casa da Santa Vitória, empresa do grupo focada na produção e comercialização de vinhos e azeites alentejanos. O primeiro passo, claro, é negociar preço de frete compatível. Por outro lado, o azeite Gallo é importado com exclusividade pela Cargill, multinacional que está instalada no Pará em terminais graneleiros e tem incentivos fiscais. É outra possibilidade comercial. 
Tanto o Vice-Cônsul de Portugal, Francisco Neto Brandão, quanto o secretário adjunto da Secretaria de Turismo do Pará, Joy Colares; a presidente da Abav-PA, Edna Rocha; o gerente comercial da TAP, Douglas Lima; o presidente da Câmara Portuguesa, Reginaldo Ferreira; e o presidente da ACP, Fábio Lúcio Costa, concordam que a implantação de um polo de importação e exportação na capital paraense ajudaria a manter elevado o fluxo de mercadorias entre Belém e Lisboa. A presidente da Abav-PA (Associação Brasileira de Agentes de Viagens), Edna Rocha, salienta a importância do reforço no marketing e da presença do Pará nas feiras nacionais e internacionais, tanto de comércio quanto de turismo, como forma de alavancar a economia.

Os deputados Martinho Carmona, Celso Sabino e Sidney Rosa também participaram da reunião.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *