Trabalhadores da Companhia Docas do Pará estão em pé de guerra com a direção da estatal federal. Desde julho estão padecendo com contracheques zerados, aumento de jornada, remuneração encurtada, custo de vida encarecido e compromissos não honrados. Tudo isso graças…

A juíza Sara Augusta Pereira de Oliveira Medeiros, titular da 3ª Vara Cível, Infância e Juventude, Órfãos, Interditos e Ausentes de Castanhal (PA) exarou uma sentença emblemática, em plena Semana da Pessoa com Deficiência: obrigou a Escola Professor Antônio Leite…

Observando que é irracional o deslocamento de grande quantidade de pacientes em busca de tratamento, o Ministério Público do Pará ajuizou Ação Civil Pública contra o Estado do Pará e o Município de Marabá, para a criação de Unidade de…

O governador Helder Barbalho sanciona hoje à noite, em cerimônia no auditório do Centur, o 'Vale Gás' e o 'Água Pará', destinados a famílias de baixa renda ou em situação de vulnerabilidade social. Ambos serão gerenciados e fiscalizados pela Secretaria…

Alepa em parceria com o IHGP-PA

Muita gente não sabe mas o Solar do Barão do Guajará – edificação histórica emblemática onde residiu Domingos Antonio Rayol, autor de “Motins Políticos”, obra seminal sobre a Cabanagem – e sede do Instituto Histórico e Geográfico do Pará – guarda, até hoje, acervo precioso da época colonial, composto por móveis, porcelanas e obras de arte, além de livros raros. Fundado em 3 de maio de 1900, o IHGP-PA impulsiona o estudo e a difusão dos conhecimentos da História e da Geografia, em todos os seus ramos e aplicações à vida social, política e econômica, em especial no que se refere ao Brasil e, particularmente, à Amazônia.  O Silogeu fica na Rua do Aveiro, nº 62, ao lado do Palácio da Cabanagem, sede da Assembleia Legislativa, na Cidade Velha, em frente à Praça Dom Pedro II, cujo entorno foi cenário dos sangrentos combates na mais importante insurreição popular da história do Pará. Ontem, 24, o presidente da Alepa, deputado Chicão, acompanhado pela deputada Professora Nilse Pinheiro, primeira-secretária da Alepa e procuradora-geral da Mulher, visitou o IHGP-PA e conversou com a presidente do Instituto, Anaíza Vergolino, que explanou sobre o seu funcionamento e a necessidade de ajuda para manter o valioso acervo.

Aos 121 anos e plenamente adaptado à modernidade digital, o Instituto não paralisou as atividades mesmo durante a pandemia e de forma virtual continua a realizar reuniões, sessões memoriais, conferências e solenidades públicas com foco na História, Geografia e Antropologia, e, ainda, instiga o interesse pelas explorações geográficas e investigações históricas, arqueológicas e etnográficas; conserva e classifica documentos, livros, estudos, estampas, plantas, mapas, cartas e objetos relativos a esses ramos científicos, todos disponíveis para consulta em sua biblioteca, arquivo e museu.

Criada pelo IHGP-PA com a finalidade de adotar as providências cabíveis em defesa do acervo histórico-cultural, a Comissão Especial de Defesa do Patrimônio Histórico de Belém tem estimulado a reflexão sobre esses bens culturais e a atuação institucional dos órgãos responsáveis pelas políticas públicas de preservação. Quatro integrantes da Comissão são também membros da Academia Paraense de Jornalismo, os jornalistas e advogados Sebastião Godinho, Walbert Monteiro, Célio Simões e Franssinete Florenzano, a presidente da APJ, que acompanhou o presidente da Alepa na visita.

O deputado Chicão ficou impressionado com o trabalho do IHGP-PA e os cuidados para a salvaguarda do acervo, como, por exemplo, o Livro de Atas do Senado da Câmara de Belém, raridade com documentos de 1797 a 1807, em caixa de papel micro-ondulado de qualidade arquivística (foto), fundamental para acondicionamento, e já agendou nova visita, na próxima terça-feira de manhã, dessa vez incluindo vistoria a todas as dependências do Silogeu, que preserva também móveis da época colonial, assim como peças de faiança, prataria e porcelana de valor histórico.

O Solar do Barão do Guajará tem uma das fachadas azulejadas mais antigas de Belém, revestida em azulejos portugueses decorados em azul e branco, a partir da técnica da estampilha, e guarda importantes vestígios do passado imperial do antigo Grão-Pará. Apesar de levar o nome do Barão, a herdeira do Solar era sua mulher, dona Maria Victoria Pereira de Chermont Rayol, Baronesa do Guajará, que o herdou de seu tio, Antônio Lacerda de Chermont, o Visconde do Arary, que por sua vez a recebeu por transferência de sua irmã, dona Inês Micaela de Larcerda Chermont. O prédio é de propriedade da Prefeitura de Belém e desde a década de 1940 foi cedido ao IHGP-PA, por tempo indeterminado, enquanto durar sua existência.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *