A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Nova espécie de bambu é descoberta no Marajó

O doutorando em Biodiversidade e Evolução no Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas do Museu Paraense Emílio Goeldi, Kauê Nicolas Lindoso Dias, descobriu durante seu Mestrado nova espécie do gênero Pariana no Arquipélago do Marajó (PA), onde o MPEG instalou e mantém a Estação Científica Ferreira Penna. Batizada de Pariana Caxiuanensis, em homenagem à Floresta Nacional de Caxiuanã, situada nos municípios marajoaras de Portel e Melgaço, local da descoberta, trata-se de um Bambu, que se diferencia por ter colmos (caule) floríferos dimórficos, ou seja, estruturas diferentes entre si. Alguns colmos têm inflorescências e folhas, outros apenas inflorescência. Nos caules vegetativos as folhas são concentradas no seu ápice. Durante seu Mestrado, com a área de concentração em Botânica Tropical, Kauê também catalogou 39 espécies da família Poaceae, as populares gramíneas. O pesquisador e coordenador de Botânica do Museu Goeldi, Pedro Lage Viana, é seu orientador tanto no mestrado quanto no doutorado. A descoberta foi publicada na revista Phytotaxa por Kauê Dias, em parceria com Fabrício Moreira Ferreira, bolsista de pós-doutorado na Universidade Federal de Uberlândia, e Pedro Viana.

Ao contar sobre a emoção de sua contribuição para a ciência, Kauê Dias  revelou que quando coletou a espécie não tinha ideia de sua importância. Seu co-orientador, Fabrício Ferreira, em visita ao Museu Goeldi, olhou a planta e disse que era nova. “Ela possui um enorme potencial ornamental. É uma planta de pequeno porte. Por ser uma planta de sombra, é fácil de ser cultivada dentro de casa.”, esclarece.

Localizada no estado do Pará, no Arquipélago do Marajó, entre Portel e Melgaço, a Floresta Nacional de Caxiuanã é uma unidade de conservação federal, criada em 1961, gerida pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). A Estação Cientifica Ferreira Penna é a base de pesquisa do Museu Goeldi na Flona de Caxiuanã, que oferece aos pesquisadores infraestrutura de laboratórios e alojamentos para realização de projetos diversos de biosociodiversidade. A população tradicional que habita dentro e no entorno da Flona pratica o agroextrativismo, com a produção da farinha de mandioca, castanha-do-Pará e do açaí como principais produtos.

Os bambus asiáticos são os mais altos e famosos, no imaginário popular associados à alimentação dos ursos pandas. Os sul-americanos são comumente de porte pequeno, podendo aparecer em forma de cipó ou até mesmo ervas com até 5 centímetros de altura. “Há, ainda, algumas espécies de porte grande, as tabocas, estas com imenso potencial de uso na construção civil, artesanato, bioconstrução. Existem muitas técnicas já difundidas mundialmente com o uso de bambu para construção de sistemas de permacultura e também de casas tradicionais, isto porque o bambu é capaz de crescer muito rápido e de produzir muita matéria orgânica. Deles dá para tirar celulose para fazer papel, por exemplo. Existe, ainda, o potencial ornamental dos bambus pequenos, que são fáceis de cultivar, gostam de sombra. São muitas potencialidades que não são exploradas. Agora, estão começando a aparecer iniciativas tecnológicas para utilização de bambus, principalmente no Acre, que possui formações gigantescas de bambu em seu território”, explica o pesquisador Pedro Viana.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *