Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

Usuários de ônibus do Outeiro sofrem abandono

A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço, que sempre foi muito ruim, ficou ainda pior e massacrante. Os ônibus só começam a circular a partir das 5h e transitam superlotados. Além do mais são velhos e sujos. Quando não incendeiam nas ruas, pondo em risco muitas vidas, dão “prego”, abandonando os passageiros no meio da rua, sob sol ou chuva e risco iminente de assalto. Sem falar que os motoristas param para abastecer, enquanto os passageiros respiram do jeito que conseguem, espremidos em plena pandemia, com alto risco de contaminação.

Os moradores do Outeiro se sentem abandonados à própria sorte, e quem não pode se arriscar a perder o emprego tem que tomar duas conduções, da ilha até o terminal rodoviário de Belém, e de lá para o seu destino. Detalhe: como até hoje os bilhetes ainda não são integrados, são obrigados a pagar duas vezes pelo mesmo serviço, uma aberração que sacrifica ainda mais justamente os cidadãos mais necessitados.

Nunca é demais lembrar que as linhas municipais de Belém jamais foram licitadas e o negócio é um filão para um grupo de empresas com poderoso sindicato – que sempre chora miséria quando se trata de proporcionar um mínimo de conforto e segurança aos passageiros e reivindica constantes aumentos nas tarifas – mas que ostentam sua riqueza. Não se sabe o porquê, o BRT até hoje não funciona. Os poucos coletivos que transitam na pista construída durante anos em nada diferem dos demais e a população que precisa se submeter ao transporte público sofre demais, sem qualquer explicação convincente e muito menos fiscalização daquilo que é uma concessão pública. Está passando da hora de a Prefeitura de Belém tomar providências.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *