Casarões da CDP saqueados e em ruínas
Abandonado há cerca de vinte anos pela Companhia Docas do Pará, o casarão que até o início dos anos 2000 servia como...
Ver mais
Perigo quando as águas azuis do Tapajós ficam verdes
O Tapajós, já reconhecido como o mais belo rio do mundo, é um dos maiores da Amazônia e às suas margens...
Ver mais
As incríveis coleções do Museu Paraense Emílio Goeldi
Com importância singular nos campos científico, sociocultural e político, os acervos arqueológicos e etnográficos do Museu Paraense Emílio Goeldi, sediado em...
Ver mais
Previous
Next

O procurador-geral de Justiça César Mattar Jr. recebeu, ao lado do subprocurador-geral de Justiça Eduardo Barleta, do 2º subcorregedor-geral Geraldo Rocha; do presidente da Associação do Ministério Público do Pará (Ampep), promotor de Justiça Márcio Maués Faria, e do chefe de gabinete da PGJ, promotor de…

A roda de conversa “Novíssimas teses sobre a Cabanagem”, com o jornalista Sérgio Buarque de Gusmão, pesquisador e autor do livro “Nova História da Cabanagem: seis teses revisam a insurreição que incendiou o Grão-Pará em 1835”, o historiador Geraldo Mártires Coelho, professor titular aposentado da UFPA, e a cientista política…

O Ministério Público do Estado e o Ministério Público Federal criaram um Grupo de Trabalho Interinstitucional para tratar das questões envolvendo as comunidades quilombolas e populações tradicionais do Marajó, de modo articulado com o Grupo de Trabalho Agrário do MPPA e acompanhamento dos Centros de Apoio Operacional…

Figura na pauta da reunião virtual do Pleno do Tribunal de Justiça do Estado do Pará desta quarta-feira, 16, o julgamento de Processo Administrativo Disciplinar contra os juízes Raimundo Moisés Alves Flexa e Marco Antônio Lobo Castelo Branco. Em julho de 2019, circulou amplamente nas redes sociais gravação em áudio na qual o prefeito de…

UMA PITADA DE CARNAVAL FORA DE ÉPOCA

Saudade dos carnavais da minha juventude, quando eu ainda tocava saxofone e trompete, gostava de pular nos salões e as marchinhas de duplo sentido eram inocentemente cantadas, quando os blocos de sujo andavam pelas ruas fantasiados de “mascarados fobó” e meu pai comprava as máscaras para nós ali no Café Chic, em Santarém.
Sem saudosismos, o Carnaval autêntico de hoje é um de ato de resistência contra a indústria das escolas de samba, dos abadás e coisas do gênero, É um ato de heroísmo em favor da espontaneidade e do verdadeiro Momo.
A propaganda das agências de viagem propala que todo brasileiro gosta de Carnaval, pois tem alegria, tem colorido, tem mulata, bunda, peito, sexo, cerveja, turismo, dinheiro, praia e principalmente um longo feriado.
Eu não aprecio mais. Porém, gostar de Carnaval, ao contrário dos arautos do apocalipse, não é o caldeirão do inferno,
Refiro-me àquela brincadeira em família reunida, fantasiada, curtindo-se mutuamente o que, digo logo, é uma raridade hoje em dia.
Eu tive um amor de Carnaval. Era uma carioquinha bonita que veio passar as férias em Santarém e todos os rapazes da cidade ficaram apaixonados por ela, inclusive eu.
Mas, ela, sabendo que era bonita e do Rio de Janeiro, jamais iria dar bola para aqueles molecotes caipiras do interior do Pará.
Acontece que o destino sempre trama suas artimanhas e nos surpreende.
As moças da cidade resolveram fazer um bloco de Carnaval para pular no principal clube da sociedade mocoronga, o Centro Recreativo.
Era o BLOCO DO BARALHO. Todos iam fantasiados como se fôssemos uma carta.
A linda carioquinha estava lá. Ia participar do Bloco. Os pares seriam escolhidos pela sorte.
Nós morríamos de ansiedade, quando a mãe de uma das moças anunciava o sorteio: Fulano de tal vai ser o par de Sicrana… e aí por diante.
Faltavam apenas três pares para serem formados. Eu nervosíssimo para ver se ficava com a carioquinha, ainda mais quando reparei que ela me olhava com interesse.
Quando ouvi: José Wilson vai ser par da H…
Eu era o VALETE DE PAUS. Ela, a RAINHA DE COPAS.
Dei pulos de alegria. Ela riu muito, talvez da minha alegria excessiva. Só sei que durante a festa, depois de tomar uma cerveja (não mais que isso), ela relaxou e apertou minha mão, no salão do Centro Recreativo.
Aquilo para mim foi o máximo. Eu me sentia como se tivesse acertado sozinho na loteria.
Cantavam a música: “A lua é dos namorados…”
Fiquei em êxtase. Ali começava um amor de carnaval que durou mais ou menos um mês, pois ela voltou para o Rio.
Essa menina foi o meu primeiro beijo e o mais inesquecível , até hoje.
Foi dentro de um taxi Rural Willys, do Moa, na porta da casa da irmã dela, após a festa.
Na época, telefone em Santarém ninguém sabia o que era.
Nossos anos dourados não foram vividos nas grandes capitais. Mas, o amor não escolhe lugar nem hora para acontecer.
Antes de viajar, a minha Rainha de Copas deixou comigo um lencinho com o perfume dela.
E eu, muito bobo, ligava todo dia para a Rádio Globo, para ver se escutava a voz dela. Pode?
Eu estava no verdor dos meus quinze anos.
E ela, na cidade maravilhosa, talvez escutando João Gilberto cantar o Corcovado, aquela música da bossa nova, imortal.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *