Os dirigentes do Sindicato e da Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa festejaram o resultado da reunião de hoje com o presidente da Alepa, deputado Chicão, que também convidou para o encontro o Chefe de Gabinete da Presidência, Reginaldo Marques…

A Administração Superior do Ministério Público do Pará está empenhada em fortalecer a atuação dos promotores de justiça no arquipélago do Marajó, onde a situação de extrema pobreza, agravada pela pandemia, perpetua crimes gravíssimos como os abusos e exploração sexual…

“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

Um concerto de amor a Waldemar Henrique e ao Theatro da Paz

Fotos: Tamara Saré
O aniversário de 136 anos do Theatro da Paz e os 109 anos de nascimento do maestro Waldemar Henrique, transcorridos ontem, se confundem, assim como se confundem o amor e o cuidado que o grande compositor parauara tinha pela joia arquitetônica e cultural do Pará. O concerto da Amazônia Jazz Band no Teatro da Paz, só com músicas de Waldemar Henrique, foi um programa à altura dos homenageados, promoção da Secult.  A abertura foi um show à parte de percussão, utilizando bilhas de água, feitas de cerâmica (moringas).  Sensacional. O ponto alto foi o duo formado pelo maestro Nelson Neves ao piano e o saxofonista Esdras de Souza, que executou “Valsinha do Marajó”. Momento lindo e emocionante, diria sublime. A Amazônia Jazz Band, formada por músicos de primeira linha, como sempre foi aplaudida de pé, merecidamente, pelo Teatro da Paz lotado. A cantora Nanna Reis fez participação especial.

Waldemar Henrique da Costa Pereira, como ele mesmo diz em uma de suas obras, foi um artista que fez da vida uma canção. Uniu o erudito e o popular e, através de seu trabalho, universalizou o imaginário amazônico.
Filho de português com uma índia, o maestro descobriu ainda na infância o dom de criar letras e canções marcadas por amor incondicional ao local onde nasceu. E, além do talento musical, também era conhecido por sua generosidade, humildade e doçura, características de sua personalidade, como lembra o músico Salomão Habib, seu amigo, admirador e  parceiro na peça “A Casa da Viúva Costa”. 

O poeta João Jesus de Paes Loureiro conta que conheceu Waldemar Henrique nos tempos de estudante da UFPA. Logo viraram parceiros. Com uma trilha composta por Waldemar Henrique, Paes Loureiro ganhou o Prêmio do Serviço Nacional de Teatro, na categoria universitário, e depois, muitos outros. 

Já o músico Áureo de Freitas, da Orquestra de Violoncelistas da Amazônia, reconhece que “ter convivido com o maestro e ter acompanhado o trabalho dele, mesmo por poucos anos, foi uma das maiores experiências que já tive. A forma universal dele contar e cantar a Amazônia influenciou e ainda influencia de uma forma muito grande o meu trabalho”.

Pesquisadora da obra do maestro, a cantora lírica e professora de música Márcia Aliverti destaca que a obra de Waldemar Henrique é atemporal. “A obra do maestro está mais viva do que nunca. É impressionante ver a paixão pela obra dele reacendida a cada novo aluno de música, que toca as composições dele pela primeira vez”.

Ave, Waldemar Henrique! 

P.S.: a Secult lançou ontem, também, a bela 4ª edição do livro “Belém da Saudade”, com 114 novas vistas de postais antigos da cidade. Eu tratei de aproveitar e comprar o meu exemplar pelo preço promocional de R$150. Agora, custa R$180.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *