Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

TRISTE VIDA

A tarde vai se diluindo no ocaso.

A natureza abre o álbum de nuvens multicores e o rosto do anoitecer vai se acinzentando, amarelando, avermelhando, alaranjando e ficando roxo.

A voz da ventania parece espalhar e espelhar nos arredores os rugidos de todas as onças do matagal.

O infinito fica pertinho quando se contempla o sol descansando seu olho de fogo por trás da silhueta da mata.

A noite já vem cobrindo a tarde e a epiderme do rio vai refletindo cada vez mais, o holofote da lua cheia.

Dentro de pouco tempo a noite vai amadurecendo, com as suas sardas de estrelas.

O vento lambe a paisagem e sacode as igarités no rebojo da maresia.

Horas depois, a natureza vai ficando mal humorada.

Nuvens começam a cobrir a lanterna da lua com lençóis de fumaça e a paisagem vai se calando.

Só se escutam jacumãs cavando o banzeiro e o lamentar dos pescadores recolhendo a tristeza e o vazio nas tarrafas.

O terral vai se encorpando e atiça a correnteza que chicoteia o lombo do rio a esbravejar nas margens, com fragor de boiúnas descontroladas.

Pouco a pouco o céu começa a despejar a hemorragia de águas sem freio.
Melhor seria uma chuva de canivetes, que não afogam nem desmontam raízes, sonhos, esperanças ou corações.

…E o temporal rufa os tambores, riscando o firmamento com espadas flamejantes: raios e trovões ameaçam as portas de japá e ensurdecem a barraquinha de palha, que tenta segurar-se, desesperada e sem alternativa, na orla do barranco, para não ser macerada pelos dentes da procissão das águas ferozes do rio Amazonas, nessa noite de tempestade.

O rio vai chupando o barranco. O tejupá começa a escorregar e sucumbe, desfazendo-se na fome da correnteza, abandonando ao relento um casal de caboclos e sua cunhã, repartindo entre si as desesperanças, miséria e solidão…

Quando a manhã vem saindo, os matupiris já estão nadando, tranqüilos, pela orla do rio, como se nada tivesse acontecido.

O Amazonas já bebeu toda a chuvarada e sossega, satisfeito, como as sucuris de barriga cheia.

Estamos na década de mil novecentos e cinqüenta.

Saqueada pelas águas, sem teto e sem chão, sem eira nem beira, aquela família castigada pelas águas resolve mudar o destino.

O pai foi para o garimpo, de onde nunca mais voltou nem deu notícias.

A mãe, depois de entregar a cunhã naquela mansão, também sumiu no mundo sem deixar nem ficar com saudades.

A menina tornou-se uma cabocla bonita, conhecida como Valentina.

Ficou para sempre com a família do Sr.Manoel Francisco, descendente de um português que se enfiou nos interiores da Amazônia, no século dezenove, para desafiar a sorte e, tendo feito fortuna, jamais regressou à pátria natal, tornando-se o tronco de uma samaumeira genealógica que cresceu e se espalhou pela região: Nunca teve filhos com a mulher. Mas ele era um garanhão afamado e um dos “botos” que engravidavam muitas donzelas, rios abaixo e acima.

Valentina ingressou naquele sobrado de paredes de azulejo lusitano, quando não passava das oito invernadas.

Veio fugida das garras da pobreza e das enchentes, para ser cria da casa e ajudar na cozinha.

O tempo foi passando e ela foi ficando. Nunca foi à escola, mas era uma doutora nas ciências culinárias.

Com quatorze anos, quando já podia carregar um pote, perdeu a virgindade, ganhou uma criança e morreu do parto.

Ela nunca se revelou quem era o pai daquele pirralho que nasceu e cresceu no sobrado como gente da família.

Manoel Francisco e esposa serviram de padrinhos e escolheram o nome do menino: Antonio Joaquim.

Papagaios, peteca, peladas nas areias quentes da praia, mergulhos no rio e outros folguedos eram as cortinas que encobriam e disfarçavam a voracidade do tempo “parece-que-foi-ontem-e-já-passou-tão-rápido”…

O menino fez-se adulto e foi abrir um comércio bem sortido, na região do Lago Grande, com ajuda dos padrinhos.

Quando Manoel Francisco e esposa faleceram deixaram toda a fortuna para Antônio Joaquim.

Como não havia sofrido para amealhar aquela riqueza, não sabia o preço.

Conheceu a Mundaia, prostituta que veio do garimpo, cheia de sífilis e de gonorréia.

Apaixonou-se. A mulher, acostumada a muitas camas e redes, logo começou a sair com todo mundo, a gastar dinheiro e a arranjar vários amantes, colocando no pobre Joaquim uma coleção de chifres imensos.

Para tentar disfarçar a dor de corno começou a beber e a jogar baralho.

Dentro de poucos meses estava também sifilítico.

A mulher, o jogo e a bebida acabaram com toda a fortuna que havia herdado.

Ficou na miséria e virou pescador para sobreviver.

Mundaia foi embora com um mergulhador de balsa do garimpo do Pacu e nunca mais deu notícias.

Só, corneado, sem dinheiro, Antônio Joaquim sumiu.

Dizem que foi comido pelas piranhas.

Depois que o Conta Estrelas me narrou essa estória ele me surpreendeu.

  • Sabe mano velho, se eu te disser que minha mãe, a modo, ainda dizia que era prima desse pessoar, eu acho que tu nem acredita, mas é sério, seu minimo…
    E ficou molhando o olhar perdido no azul do Tapajos …

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *