Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Simpatias em hospitais

Fui submetido durante minha vida a sete cirurgias.

Na primeira, aos dezesseis anos, me tiraram o apêndice.

Na segunda, já casado, as amígdalas.

A terceira, uma desagradável hérnia umbilical. Em meio às intervenções no coração, lá se foi a vesícula.

Em 1992, a primeira angioplastia. Sou tão antigo que à época não existia a implantação de stents.

Depois, quatro anos passados, abriram meu peito, desta vez para a colocação de duas artérias: uma, a radial e outra, a mamária.

Vinte anos se passaram e meu coração se comportava bem. Até que um dia, como se dizia nas histórias de antigamente, ao fazer um eco de rotina ouvi de um médico de Belém: “vais viver 100 anos”. Não gostei do resultado. Marília, sempre vigilante e amorosa, me convenceu a irmos a São Paulo. Aceitei.

Marcada a consulta com o cardiologista clínico desde 1992, após exames preliminares recebi sua decisão:

-Vou te internar, agora. Gosto de checar as informações médicas, qual a sua gravidade …

-Daniel (o meu médico em SP), estamos hospedados a uma quadra do hospital. Amanhã, às 7h estarei aqui.

– Não, vou te internar agora. Dona Marília trará a bagagem do hotel para cá.

Minha conclusão foi imediata: a “bronca é feia”.

Mas por que estou contando isso?

O motivo da narrativa tem a ver com o meu comportamento quando fui hospitalizado. Lá, sou a figura mais agradável e simpática com enfermeiros, assistentes, estagiários e médicos. Além de fazerem parte do meu dia a dia, há uma conveniência prática. Eu estarei em suas mãos, até a “alta”, o momento mais agradável e esperado.

Pois bem. O primeiro exame foi a repetição do Eco.

Levado em uma cama, vestido apenas como nasci e coberto por um lençol, cheguei à sala de exames. Introduzido na ampla sala, uma jovem médica muito bonita, recém-formada e estagiária do setor, a mim se apresentou: “meu nome é Renata, o senhor vai ficar aos meus cuidados e antes do exame vamos proceder uma anamnese (termo que os médicos usam para apavorar seus pacientes. Nada mais é do que uma série de perguntas sobre o estado geral de saúde).

-O Sr. é diabético?

– Não.

– O Sr é fumante?

-Não.

– O Sr. bebe?

– Sim, água, refrigerantes e sucos.

-E alcoólicos?

– Não.

– Vou lhe fazer uma pergunta, pois o cardíaco não pode usar.

– Faça.

– O Sr. toma Viagra?

Levantei bem a minha cabeça e lhe perguntei:

– Isso é um convite ou uma insinuação?

Risadas ecoaram no recinto.

Ao ver o embaraço em que a jovem doutora ficou, totalmente enrubescida, a vermelhidão em seu rosto, baixei o lençol até a altura do umbigo.

– Doutora, sou católico e só acredito em duas ressurreições: Lázaro e Jesus Cristo.

Com um gesto na boca apontando em direção da genitália completei:

-Este daí de baixo está morto.

A brincadeira correu entre os integrantes do corpo clínico e para todo exame que era levado fez sucesso. Mas, dias depois, recebi alta com três stents implantados.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. Tem estilo leve e bem humorado. Suas memórias prometem , caro Ronaldo Passarinho. Talvez até revelações inéditas dos bastidores da política paraense, do planalto e da planície, non ?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *