Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Resgate de trabalhadores em condições análogas à escravidão

Foto: PF
Em operação conjunta, o Grupo Especial de Fiscalização Móvel, composto pelo Ministério do Trabalho e Emprego, Ministério Público Federal, Ministério Público do Trabalho, Defensoria Pública da União e  Polícia Federal, prendeu em flagrante na sexta-feira passada (16), na localidade de Mula Perdida, município de Bannach(PA), o dono de uma fazenda que mantinha quatro trabalhadores em condições de trabalho semelhantes à escravidão, alojados em barracos precários, de palha e lona, sem as mínimas condições de higiene, asseio e civilidade para a digna permanência humana. O córrego que abastecia de água os trabalhadores também servia como bebedouro dos animais. Não havia condições para armazenamento de alimentos. Os salários eram retidos para pagamento de dívidas com o empregador, incluindo os instrumentos de trabalho utilizados e os trabalhadores eram proibidos de se afastar do local onde eram explorados, pois suas dívidas nunca eram quitadas.
O proprietário da fazenda foi encaminhado ao presídio e posteriormente liberado mediante pagamento de fiança arbitrada pelo Juízo. Mais um triste episódio dessa chaga social que aflige o nosso Estado.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *