A juíza Sara Augusta Pereira de Oliveira Medeiros, titular da 3ª Vara Cível, Infância e Juventude, Órfãos, Interditos e Ausentes de Castanhal (PA) exarou uma sentença emblemática, em plena Semana da Pessoa com Deficiência: obrigou a Escola Professor Antônio Leite…

Observando que é irracional o deslocamento de grande quantidade de pacientes em busca de tratamento, o Ministério Público do Pará ajuizou Ação Civil Pública contra o Estado do Pará e o Município de Marabá, para a criação de Unidade de…

O governador Helder Barbalho sanciona hoje à noite, em cerimônia no auditório do Centur, o 'Vale Gás' e o 'Água Pará', destinados a famílias de baixa renda ou em situação de vulnerabilidade social. Ambos serão gerenciados e fiscalizados pela Secretaria…

Ciclistas liderados pelo grupo Pedal Mulher Nota 100, com apoio de alunos e voluntários da Universidade Federal do Pará e da Academia Paraense de Jornalismo, realizarão uma performance, nesta quinta-feira (23), das 8h às 10h, a fim de chamar a…

Por que escrevo?

Quando recebi o convite para escrever crônicas neste site, fiquei em festa. É bacana constatar minhas mudanças. Sim, há pouco tempo escrever publicamente, para mim, não era nada fácil. Na verdade, não é fácil para mulheres, mesmo que hoje, falar e ser respeitada. Por isso, após tanta leitura de mulheres, consigo entender o porquê: fomos ensinadas a ficarmos caladinhas, quietinhas, o mais passiva possível. São falas, retaliações, ditados, castigos, punições, músicas, filmes, tudo a serviço de nos dizer o quanto ninguém quer mulher com boca no trombone, gritando alto por aí.

“- Minha senhora, você pode até falar, mas nem tanto, nem tão alto”.

Sim, nossa fala é permitida, até certo ponto. Não ouse incomodar, denunciar, contar o que acontece entre quatro paredes, pois se o fizer terá que enfrentar um júri de uma sociedade machista, em que a voz masculina é defendida e tem força, embora neguem o machismo e te digam o contrário. Querem ver? Experimentem observar a reação do povo quando uma mulher denúncia um homem e o quanto sua palavra é colocada em cheque… casos de famosos é o que não faltam por aí.

Grada Kilomba, uma psicóloga doutora portuguesa, traz uma reflexão belíssima e importante em seu livro, que se chama “Memórias da plantação”. Ela parte de um poema para dizer sobre o poder das palavras e demonstrar como sua circulação é parte de um sistema político. Sim, pois são as palavras que permitem registro histórico, o discurso sobre povos, e também que regulam relações e leis. As palavras marcam corpos e espaços, por isso, silenciar e abafar narrativas, tal como fizeram e fazem com povos indígenas, negros e mulheres , é uma forma de tornar invisível suas existências e pautas. Querem exemplo? Se não formos nós a reivindicar, quem irá se preocupar com violência doméstica, direitos sexuais e reprodutivos? Em outra crônica, conto pra vocês como surgiu a lei Maria da Penha, mas adianto, não foi fácil e nem um processo bonito.

Não à toa as narrativas são alvo de disputas de poder e não à toa a história é mal contada e protagonistas mulheres ocultadas de documentos e livros históricos.

Djamila Ribeiro, em seu livro “Lugar de fala”, nos afirma como a condição de ser escutado em suas demandas garante a condição de humanidade, então por que tentam abafar nossas vozes?

Kilomba afirma que aquela que narra assume autoria e autoridade de sua história, e isso rompe com um discurso hegemônico, de poderosos, e também com a estratificação tão bem organizada em nossa sociedade, onde a submissão feminina pode ser feita por teias sutis, que fazem as mulheres acharem que sentimentos e lugares sociais fazem parte de suas escolhas, personalidade ou da própria biologia.

Foram as palavras das subalternas, em suas reflexões políticas e histórias cotidianas, que me convidaram a uma travessia inesgotável e exigente de olhar para mim como um corpo político em relações com outros corpos e seus marcadores. Quando comecei a me revirar no avesso, seja reconhecendo os privilégios por ser branca, seja me desconhecendo ao constatar minha ignorância da história de meu povo e antepassados, seja por conseguir identificar e nomear as violências estruturais que sofria ou que via meu entorno sofrer, as palavras começaram a sair pelos dedos e pela boca: a escrita foi um efeito e me autorizar escritora um processo nada fácil, ainda atravessado por inseguranças e angústias. Foi ao aprender que o pessoal é político que compreendi que a minha história pode ajudar tantas outras mulheres, seja pela identificação, seja por convidar a pensar o feminismo de mãos dadas.

As palavras são minha forma de me formar, me tornar, de ser, de me revirar, sofrer, enfrentar, resistir e me apresentar como eu quero e não como querem.

Escrever tem sido meu processo transforma-dor. Quando uma mulher fala sobre si para outras mulheres, ela pode levantar tantas outras, foi isso que a segunda onda do feminismo branco constatou: mulheres ao trocarem suas experiências podem politizar o que era tido como normal e com isso causar revoluções! Vamos juntas? Prazer, me chamo Bárbara Sordi, mulher Belenense, de 37 anos de idade, mãe de Luísa e Caetano e, sim, escritora feminista – como você também pode ser!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *