O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Olha o Pará aí, gente!

Com o enredo “Pará
– O Muiraquitã do Brasil, Sobre a nudez forte da verdade, o manto diáfano da
fantasia
’, dos carnavalescos Cahê Rodrigues, Kaká e Mário Monteiro, com
pesquisa e texto de Cahê Rodrigues e Leandro Vieira e consultoria de Sergio Oliveira, a escola de
Samba Imperatriz Leopoldinense, fundada em 1959, homenageia o Pará no carnaval
de 2013.
Olhem aí a sinopse:
PARÁ – O MUIRAQUITÃ DO BRASIL
“Sobre a nudez forte da verdade, o manto diáfano da fantasia.”
(Eça de Queiroz)
Bateu com o pé direito no chão com mais força, depois cuspiu para
frente! Pronunciou duas ou três vezes com voz rouca: Hê, hyá, hyá, hyá, e seguiu
dizendo:
Cúara tece o início do dia
É de manhã!
O oby tinge a retina dos
olhos de quem vê
Chocalho de cobra, onça pintada, ariranha, garça branca e guará!
Cheiro de mato.
É o Uirapuru quem canta
primeiro.
Levo as mãos à pedra verde: Dê-me a sorte oh Muiraquitã!
O ibitu sopra o destino
das águas
Faz o verde do aningal se
apekúi
Por de trás da folha verde se vê o povo Tupinambá!
No corpo, seu manto sagrado de pena
Na alma, a incorporação do poder de um gavião real!
Festança de índio, dia para ritual!
É Karajá, Tapajó, Kayapó, Arara, Araweté, Munduruku e Assurini.
Sou morubixaba de tudo
que se vê por aqui!
No verde encontrei riqueza, “jóia” de índio!
A riqueza que “karaiba” gostou:
O sabor do açaí, a fibra do cupuaçu, tucumã, taperebá e bacuri.
Peixe do rio, caroço da inajá!
É meu, mas eles querem!
A cobiça cruza nossas águas em barco grande
Os olhos do Mapinguari vê
A boiúna faz as águas se apekúi
É gente que chega! Gente de todo canto
A taba pinta o corpo pra
luta
Tupã faz o céu roncar!
Tá guardado no seio da natureza a riqueza que eles procuram
De tudo um pouco eles querem levar
Do ouro da serra à seiva que escorre
da ferida no tronco da árvore
Faz seus olhos brilharem!
A “fortuna” que a borracha do tempo ainda não pode apagar!
Tá aqui até os dias de hoje
Em fachada de casa
Em cristal de lustre que “alumeia” a beleza do theatro.
Até hoje é assim!
Pra falar de riqueza pelas bandas daqui,
tem que voltar pra floresta
O dono da terra é quem ensina como é que faz
pra lidar com a natureza
Pois é dessas matas que as sementes colhidas
vão enfeitar outros chãos.
Dar adeus a floresta nativa, ser polida, joia cabocla…
sonho de artesão.
Nesse dia, quando o homem aprender com a gente daqui,
a natureza respeitar
Todo povo vai sair na rua pra cantar.
Nas terras do Marajó, Marabá, Santarém ou em Belém.
Nossa gente vai festejar:
Traz jambu, camarão seco,
tucupi e mandioca.
Oferta a toda gente o tacacá!
Leva o Boi pra rua
Faz festa pra saudar o Boto!
Põe a Marujada pra dançar!
Saia de roda e estampa florida
Roda menino, gira menina
Canta a ciranda mais bonita
Dança o Carimbó e o Siriá!
“Treme” o Povo do Pará!
O artesão fez a sua peça mais bela para ofertar:
Cestaria, cerâmica, um trançado de juta
Da cabaça ele fez cuia, do Miriti arte para brincar!
O Romeiro ergue as mãos
Fita com os olhos o azul que tinge o céu.
A santa ouviu a prece do caboclo:
Na corda dos milagres, graça alcançada.
São Mãos que sangram em fé!
Nessa longa caminhada.
Outubro se faz agora!
Meu povo já está na rua
Do altar do carnaval se avista o andor e a berlinda florida
 A voz do povo faz o canto ecoar
mais uma vez
Quem pede é o folião,
Por hoje, romeiro de fé:
Oh Santa!
Dai-me nas Cinzas desta quarta-feira,
O caminho para mais uma vitória
E uma alegria para a vida inteira!
O Pará, seu sabor, seu cheiro, sua gente, suas tradições,
estão na Avenida.
É a Imperatriz quem lhe apresenta aos olhos do mundo:
No futuro, um exemplo a ser seguido.
GLOSSÁRIO:
Hê, hyá, hyá, hyá – Canto tupinambá
Cuara – sol
Oby – verde
Ibitu – vento
Apekúi – alvoraçar
Morubixaba – cacique,
chefe da tribo
karaíba – homem
branco
Mapinguari –  ser
lendário com o corpo todo coberto de pelos, com a aparência de um
enorme  macaco, um único olho na testa e uma boca gigantesca que se
estende até a barriga.
Boiúna – cobra
grande
Taba – casa de
índio
Muiraquitã– espécie de
amuleto da sorte para os índios

Kayapó, Mundurucu, Assurini, Tapajó, Tupinambá: etnias indígenas
Aningal – vegetação
característica das ilhas e margens dos rios e igarapés amazônicos.
Cupuaçu,Tucumã, Bacuri,
Taperebá –
Frutas da região
Jambu – erva típica
da região e do Estado do Pará.
Tucupi –tempero
de cor amarela extraído da raiz da mandioca.
Tacacá – iguaria regional
do Pará.
Siriá – Dança  originária
do município de Cametá, no Pará.
Carimbó
manifestação cultural do povo paraense, misturando dança, ritmo e canto.
Marujada –manifestação
do folclore paraense.
Treme” – mistura de música eletrônica
a outros ritmos populares do Pará.
Berlinda – espécie
de veículo com oratório envidraçado que leva a imagem da santa no Círio de N.
S. de Nazaré.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *