Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

O público e o privado


O jornal Diário do Pará, em matéria de página inteira, com destaque na capa, hoje, trata da ação de investigação eleitoral movida pela coligação “Todos pelo Pará”, liderada por Helder Barbalho e Lira Maia, pedindo a cassação do registro e do diploma do governador reeleito, Simão Jatene, por abuso de poder político e compra de voto. Até aí nada de mais, em um jornal de oposição declarada. O surpreendente é que, a título de prova do crime, uma das transcrições de diálogo de cabo eleitoral gravado em vídeo, publicada em destaque, acaba servindo para inocentar Jatene.  Confiram:

08:59 – JODILMA: (incompreensível)…tanta raiva desse Governador nosso, fuleira, que ele tá sendo atacado, ele não tá reagindo, não bota gente na rua, manda (incompreensível)…ontem eu falei com ele, eu tava… ontem, eu não sei se tinha uma reunião lá no Monte Líbano…aí o pessoal me ligando, me ligando, Jô, tu não vem pra cá? Vem pra cá? Não sei o que… Ah, não vou não…fazia mais de três meses que eu não ia nem no salão. Peguei, fui só (incompreensível)… dar uma hidrataçãozinha aqui, fazer a raiz do meu cabelo. Mana eu to no salão, não sei a hora que eu vou sair daqui, daqui do salão. Aí a minha amiga, que acabou de me ligar agora, me ligou e disse, fala aqui com uma pessoa que quer falar contigo…era ele.  “Minha filha, minha filha, não me abandone.  Bora em frente que nós vamos vencer”.  Como, Governador? Me diga, pelo amor de Deus? Do jeito que o senhor está fazendo?  “Minha filha eu não posso roubar o dinheiro do povo”. É isso que ele diz.  Ele diz assim,  se ele fosse tirar o dinheiro do Estado para gastar  em campanha, e depois?  Eu disse, Governador,  esse dinheiro que o senhor tirar para gastar na campanha, o senhor vai poder pegar de volta, recuperar de volta. Pior vai ser se o senhor perder e o Helder Barbalho destruir  todo o nosso Estado. Ele, “então, minha filha eu estou muito preocupado com isso”. Mas o Jatene, ele é muito ético. (…)” (sic)

Ato falho? Cartas para a redação.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *