Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

O Genocídio dos Povos Indígenas – A História Vai Cobrar Essa Fatura

Uma das maiores bandeiras de luta dos povos indígenas é a demarcação de suas terras, eis que mais da metade vive fora das áreas reivindicadas.

A demarcação das terras indígenas, além de ser o pagamento de uma dívida histórica, também contribui para a construção de uma sociedade pluriétnica e multicultural, proteção do meio ambiente, da biodiversidade e controle climático global.

O art. 67, do ADCT da Constituição Federal determina que a União Federal deveria concluir a demarcação de todas as terras em até 5 anos da data da promulgação da CF, o que não ocorreu. Embora descumprissem a Constituição, nenhum governante, até 2019, havia dito que os povos originários não teriam o direito ao reconhecimento das suas terras.

Tal quadro alterou com Jair Bolsonaro, que através de sucessivas falas  e determinações, como o apoio explícito ao Projeto de Lei 490/2007, descumpre a CF, violando o direito dos povos indígenas às terras tradicionalmente ocupadas e à consulta prévia, conforme estabelecida pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU, ao qual o Estado Brasileiro se obrigou e consiste no dever de consultar os povos indígenas previamente à tomada de decisões que os afetam, como um mecanismo substantivo para garantir, com eficácia, o respeito aos seus direitos.

A terra é uma condição sem a qual a vida e a cultura dos povos indígenas não têm como ser mantida, não é apenas um bem onde se planta soja ou cria gado, arrenda, compra, vende ou herde, como compreendem os “brancos”.

Portanto, autodeterminação, consulta prévia e terra tradicionalmente ocupada são um conjunto de direitos efetivamente demandados e conquistados pelos povos indígenas. São direitos que devem ser respeitados e cumpridos pelo Estado, independentemente do viés ideológico dos seus mandatários.

Os indígenas são um grupo étnico e vivem nas terras com as quais têm relação ancestral e onde querem e lutam para estar, e discursos autoritários de “integração” da forma como proposto pelo atual governo, os desumaniza.

 A demarcação de uma terra tradicionalmente ocupada, é condição sem a qual a comunidade não pode sobreviver física e culturalmente, e se índios são grupos étnicos, a questão se projeta para outra dimensão de altíssima gravidade, eis que se trata de inviabilizar a vida de um povo.

A ONU promulgou, em 1948, a Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio, ratificada pelo Brasil em 1952. O genocídio é um crime internacional que pode ser perpetrado de diversas formas, mas que exige, para sua caracterização, a intenção de destruir, no todo ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso (art. II).

O crime de genocídio não se configura apenas com a eliminação direta de membros de um grupo étnico, podendo ser cometido sem que nenhuma pessoa seja assassinada, conforme as formas descritas no art. II da Convenção.

Além disso, a citada Convenção estabelece não apenas a obrigação dos Estados de punir os culpados pelo genocídio, mas de prevenir que o genocídio aconteça. A Corte Internacional de Justiça tem proferido sentenças responsabilizando países por violarem o dever legal de prevenir o genocídio. Essas decisões fazem coro com o compromisso dos Estados-membro da ONU de proteger suas populações contra crimes de atrocidade, assim considerados o genocídio, crimes de guerra e contra a humanidade (Estatuto de Roma) e limpeza étnica.

No caso brasileiro há um forte interesse de certos setores econômicos no controle das terras e recursos dos povos indígenas, os quais têm se utilizado de uma retórica inflamada para justificar e legitimar a violência e a tomada dos seus bens. No Brasil, os povos indígenas têm sido historicamente depreciados, por meio de diferentes estratégias, como discursos de desumanização, animalização, ridicularização e rebaixamento dos seus modos de vida.

Discursos de desumanização e animalização são particularmente preocupantes porque dificilmente um genocídio ocorre sem que seja precedido por tais falas. O Estado, que deveria protegê-los ante a situação de vulnerabilidade pela cobiça de suas terras, ao contrário, os discrimina e os vulnera ainda mais. A história, com certeza, vai cobrar essa dívida.

*O artigo acima é de total responsabilidade da autora.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *