O presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, foi aclamado ontem por servidores e deputados após a sessão plenária, que se estendeu até as 15h, ao entregar os espaços reformados que já estão prontos para utilização. É que, em…

O delegado de polícia de Oriximiná, Edmílson Faro, prendeu o vigia Ailton Ferreira da Silva a pedido do presidente da Câmara Municipal, vereador Marcelo Andrade Sarubi (PSDB) e do vereador Márcio Canto (PTB) e, na presença de ambos e do…

Primeira do Brasil totalmente focada na educação para o trânsito, a biblioteca do Detran-PA foi criada em 1998 e começou direcionada ao público interno, funcionando no antigo prédio do órgão, ao lado da Ceasa. Em 1º de novembro de 1999,…

A Prefeitura de Belém vai revitalizar dezesseis imóveis do município que estão há anos em situação de abandono. Além do resgate do patrimônio histórico, artístico e cultural, a intenção é reduzir gastos com aluguéis de prédios que abrigam órgãos municipais.…

O apagão brasuca

O apagão que parou pelo menos metade do Brasil hoje à tarde expôs as entranhas da fragilidade do sistema nacional e a sofrida condição parauara. Eram cerca de 15h45 quando caiu a rede de energia elétrica em 15 Estados do Norte, Nordeste e Sudeste: Pará, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Piauí, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Sergipe, Tocantins, São Paulo e Minas Gerais. 

Em Belém, o trânsito entrou em colapso. Nenhum sinal funcionava e a costumeira educação provocou engarrafamentos e riscos enormes de acidentes. Consultórios e escritórios tiveram que despachar pacientes e clientes. Quem precisou comprar remédios não conseguiu entrar nas farmácias. Até o supermercado da Doca de Souza Franco pôs cones e lacrou a entrada porque não oferece gerador de energia. Nos shoppings, as lojas fecharam e alguns serviços que permaneceram abertos só aceitavam pagamento em espécie. O sistema de telefonia e internet caiu. Os prejuízos, evidentemente, são incalculáveis.

As informações foram desencontradas: o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, atribuiu o apagão a falha na usina de Belo Monte(PA). Já a Celpa detectou problema na UHE-Tucuruí(PA). A Eletronorte nem se deu ao trabalho de prestar alguma informação. Já o Operador Nacional do Sistema Elétrico divulgou uma nota incrível: 

“Hoje, 21 de março, às 15h48, uma perturbação no Sistema Interligado Nacional – SIN causou o desligamento de cerca de 18.000MW, majoritariamente localizados nas regiões Norte e Nordeste, correspondendo a 22,5% da carga total do SIN naquele momento. Em consequência da perda de carga, entrou em funcionamento o primeiro estágio do Esquema Regional de Alívio de Carga do Sistema Sul, Sudeste e Centro-Oeste, com corte automático de consumidores, no montante de 4.200MW. Os sistemas Sul, Sudeste e Centro-Oeste ficaram desconectados do Norte e Nordeste. Às 16h15 já havia sido realizada a recomposição de praticamente toda a carga no Sul, Sudeste e Centro-Oeste. As equipes do ONS estão neste momento dedicadas à recomposição dos sistemas Norte e Nordeste, já em curso. As causas de desligamento estão sendo investigadas. Novas informações serão atualizadas tão logo estejam disponíveis.”

Até agora ninguém explicou o que houve, exatamente. Mas muita coisa fica explícita, mais uma vez: o Pará tem duas hidrelétricas que abastecem mais da metade do País, não atende a totalidade de seus municípios, paga a tarifa mais cara, não recebe o ICMS pela energia elétrica e muito menos os investimentos necessários para garantir o mínimo de segurança à nação. E quando acontece algum problema de amplitude nacional é o último a ser atendido. 

Prova desse abandono é que, dos alardeados R$ 74,2 milhões que a Eletronorte investiu na expansão do sistema elétrico no ano passado, ao Pará só coube míseros R$13,4 milhões, e que nem foram em benefício dos paraenses: a transferência do transformador TR6 da Subestação Vila do Conde(PA) para a Subestação Nova Mutum(MT). A obra que contou com o maior investimento foi a ampliação da Subestação Coxipó, no Mato Grosso, com a instalação do autotransformador AT1 230/138 kV 150 MVA, ao custo de R$20 milhões. Também em Mato Grosso, a ampliação da Subestação Sorriso com a implantação do transformador TR3 230-69 kV 30 MVA e conexões ganhou R$ 12 milhões. No Maranhão, diversos reforços nas Subestações São Luís I, São Luís III, Miranda II, Imperatriz e Presidente Dutra consumiram R$24,4 milhões. Outros R$4,4 milhões foram para a LT 230 kV Porto Velho-Samuel e na Subestação Abunã, em Rondônia. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *