Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

MEU AMIGO CARLOS ANTÔNIO

Ouvi falar pela primeira vez sobre o Carlos Antônio Barbosa da Silva, na época em que ambos éramos ainda moleques traquinas e tínhamos como nosso habitat preferido os igapós fechados, os campos e as beiradas ribanceirosas do lendário Paraná da Dona Rosa. Morávamos no mesmo paraná, mas nunca tive contato nenhum com ele, quando criança. Nossas casas eram distantes, digamos, umas duas horas de remo, porque, naquelas paragens e ainda hoje, se mede distância pelas horas de canoa ou a cavalo, dependendo se for no tempo de cheia ou da estiagem.

Por tudo isso e com justa razão, em tom de pura brincadeira, o Carlos sempre dizia que a gente não podia mesmo ter se conhecido: − “Eu era morador do lado de cima e tu do lado de baixo, lugar onde a gente não se aventurava, porque ali era território importante e exclusivo dos Amarar”. O boato que nos chegava era que, no meio daquela pirralhada do seu Carlos Silva e da dona Antonica, havia um curumim ladino, o mais velho deles, com uma facilidade incrível de desenhar tudo o que via pela frente, fosse um boto, peixe-boi, uma ariramba com peixe no bico, a serenidade de uma garça, uma paisagem e até gente.

Uma vez, em Óbidos, com meus treze anos e de férias escolares do Dom Amando, eu passava pela casa do Célio Simões, na Bacuri, e vi os dois sentados na calçada da frente, onde ficava a casa do seu Carlos Silva. Fui falar com o Célio e ele me apresentou o Carlos Antônio, com quem tive uma ligeira conversa, tempo suficiente para ouvir umas duas lorotas engraçadas sobre caboclos. Depois só voltei a encontrá-lo alguns anos depois, em Belém, quando eu frequentava as festas que aconteciam na Casa do Estudante, em um prédio antigo da avenida 16 de Novembro. Ele estudava arquitetura e era um dos moradores da casa. Eu, estudante de engenharia, costumava frequentar aquelas animadas tertúlias dançantes, porque estavam ao alcance do meu bolso e porque lá se podia encontrar algumas universitárias interessantes e tão necessitadas quanto nós.

No final dos anos 1970, a mosca da literatura me ferrou e eu comecei a alinhavar algumas crônicas e contos, que guardava na gaveta por não ter onde publicar. Um dia, por sugestão da minha mulher, resolvi juntar esse material em um volume e inscrevi no concurso de contos da Academia Paraense de Letras. Para minha surpresa, ganhei menção honrosa, um elogio do mestre Ildefonso Guimarães e o convite para colaborar no jornal PQP, do comendador Raimundo Mário Sobral. Foi durante essa época que eu voltei a esbarrar no Carlos Antônio. Eu era sócio de uma empresa de engenharia, ele de outra e acabei como seu fornecedor, alugando andaimes metálicos para suas obras. Sabendo que eu colaborava no PQP, um dia ele me entregou uns escritos datilografados para eu avaliar. Foi uma agradável surpresa, pois nunca imaginei que o Carlos também curtia literatura. Li tudo e fiquei muito impressionado com o estilo e conteúdo da sua escrita. Cheguei a me oferecer para apresentá-lo ao Sobral, mas ele me disse que aquilo era apenas um hobby.

Um dia resolvi passar de patrão a empregado de uma grande empresa e perdi contato com o Carlos. Depois fiquei sabendo que ele tinha se mudado para o Rio de Janeiro, onde tinha interesses em uma empresa de engenharia. Uns seis anos depois, meu patrão me ofereceu uma excelente oportunidade gerencial para ir trabalhar no Projeto Jari e lá fui eu. Com uma carga muito intensa de responsabilidade, resolvi dar um tempo nos meus projetos literários e me joguei de cabeça no trabalho. Uma sexta-feira, como sempre acontecia, fui encontrar com uns amigos no Clube Arejar. Era um local onde todo mundo se juntava para colocar os assuntos em dia, mas, nessa noite, mal adentro no ambiente, dou logo de cara com o Carlos Antônio, que papeava com um sujeito em uma mesa. O acompanhante era seu mestre de obras e ele me disse que ia passar uns tempos em Monte Dourado, pois tinha ganhado uma obra importante na Companhia do Jari.

Esse encontro de dois ex-curumins do Paraná da Dona Rosa, nas longínquas plagas do Jari, foi um passo importante para consolidar ainda mais nossa amizade. Ambos estávamos distantes de Belém e das nossas famílias, onde eu passava um fim de semana a cada quinze dias e o Carlos sempre que os atropelos naturais do trabalho lhe permitiam. Eu morava sozinho em uma casa com três suítes e convidei o Carlos para se alojar em uma delas, onde ele chegou a dormir algumas vezes durante os seis meses que duraram sua obra. Nesse tempo de convivência, pude avaliar melhor o grande ser humano e o baita talento literário que se escondia por trás do criativo arquiteto. O texto do Carlos tem DNA único, é linguagem interiorana, sim, mas sem descambar para um regionalismo piegas e sem a rasteirice de patinar no tijuco, como ele próprio dizia. Seu olhar sobre o nosso mundo de Baixo Amazonas tinha um quê de diferente, como se ele estivesse postado no alto e vendo cada detalhe com a perspicácia do seu talento e habilidade da sua escrita concisa.

Quatro anos depois terminei minha missão no Jari e retornei a Belém, voltando a encontrar o Carlos. Passamos a mandar algumas colaborações para a Folha de Óbidos e ele, junto com a Letícia e filhos, uma vez nos deram o prazer de um divertido Natal em minha casa. Por essa época, resolvi que era hora de partir para um projeto literário mais ambicioso e pensei na trilogia que começou com Catalinas e Casarões. O Carlos também andou me mostrando parte de um romance que estava alinhavando e queria minha opinião por achar que tinha exagerado na quantidade de diálogos. Não sei se ele engavetou ou abandonou de vez esse projeto, mas quando concluí meu livro e me via diante das dificuldades de edição, o Carlos veio em meu socorro e, junto com o filho Yuri, me apresentou cinco opções de capas. Gostei de todas e, por fim, a vencedora foi escolhida por uma votação em família.

Foram tantos os elogios recebidos, que o Carlos Antônio passou a ser o criador das capas dos outros livros que viesse publicar e assim também aconteceu com Sementes do Sol. Trocamos ideia e ele me convenceu de preencher de vermelho a letra O, da palavra SOL, numa representação estilizada da bandeira do Japão, a terra do sol nascente, tendo como pano de fundo a foto bem aproximada de um plantio de juta. Tudo a ver com a concepção do livro.

Uma vez o Carlos apareceu em casa com uns papéis debaixo do braço e me disse que estava feliz por realizar o sonho de construir a Praça do Estreito. Estendeu os papéis sobre minha mesa, me mostrou o projeto e deixou uma cópia comigo. Do mesmo modo ele confiou ao Célio Simões os textos que compõem este livro. Uma semana antes de baixar no hospital, eu estivera com ele em Abaetetuba. Fizemos uma viagem tranquila e de mil conversas. Atravessamos até o Arapari, na balsa, visitamos sua fábrica de ladrilhos, almoçamos numa peixaria e nunca podia imaginar que ele estivesse a ponto de cair doente. Ainda lhe fiz uma visita no dia em que foi internado e o achei debaixo de um grande sofrimento. Uma noite, a Letícia me ligou em prantos, comunicando que o pior tinha acontecido, o que, de certa forma, nós, seus amigos, já esperávamos. Eu estava em um aniversário na casa do meu irmão e corri para o hospital. De lá liguei imediatamente para o Célio Simões, que ficou consternado e, mesmo naquela hora difícil, juramos o compromisso de um dia publicar seus escritos. É o que Deus nos permite fazer agora, graças ao apoio financeiro do seu irmão, nosso amigo Augusto Silva.

Tudo se concretizou numa luminosa manhã de julho de 2019, quando passávamos alguns dias saborosos da festa de Sant’Ana, em Óbidos, e o Augusto Silva nos levou para uma roda de boa conversa e tira-gosto de pirarucu, no aprazível Curuçambá. Éramos apenas nós à sombra das árvores, acompanhados pelos cantos dos passarinhos e pelo agradável e insistente bulício da correnteza. Participaram e são testemunhas daquela conversa, o próprio Augusto, eu, Célio Simões, seu filho Celito e Dino Priante.

Hoje, mais um sonho do Carlos se realiza com o lançamento do livro, porém, mais do que nunca, sinto-me como seu órfão. É o momento crucial da edição do meu novo romance, Temporal de Cima, e estou sem o amigo a quem eu confiava a criação das minhas capas. A do último, Sementes do Sol, ele não teve tempo de curtir, pois, quando do lançamento do livro, ele já tinha nos deixado. Da sua ausência ficou um imenso vazio que eu procurei minorar através de um agradecimento que lhe fiz no livro: “Ao saudoso e inesquecível amigo, arquiteto Carlos Antônio Barbosa da Silva, que emprestou seu imenso talento para criar o design da capa e esteve presente em todas as etapas deste projeto. Em certo momento, quando a insegurança se acercou de mim e quase me fez desistir, foi dele que veio o estímulo que eu precisava para continuar em frente”.

Agora, Carlos Antônio faz projetos no céu.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *