0

Hoje que se comemora o Dia Municipal do Carimbó, em razão do aniversário de nascimento de Augusto Gomes Rodrigues, o Mestre Verequete, trago este poema escrito em homenagem aos seus 85 anos, lido na Aldeia Cabana em sua presença, onde fora homenageado na gestão de Edmilson Rodrigues. Hoje, se vivo fosse, estaria completando 107 anos. Mestre Verequete, presente!

Hoje, na minha janela
vi pousar um beija-flor
e então, tomado de encanto,
coração prenhe de amor,
fiz do verbo um ramalhete
para saudar Verequete,
rei-menino en/cantador!

Verequete da Coluna,
Verequete do Pará,
desfolha teu canto ao vento
que o vento carregará.
Canta, meu negro-menino
e cumpre assim teu destino
que te irmana ao sabiá!

Vou escrever um bilhete
nas asas de um passarinho
para fazer-te um pedido
com respeito e com carinho:
– canta, caboclo bonito,
que o povo ouvindo o teu grito
há de seguir teu caminho!

O teu canto tem mandinga,
tem ginga, tem catimbó;
é vigilenga bailando
nas águas do Marajó.
Teu peito quando se inflama
se transforma em viva chama
que se chama Carimbó!

O teu rosto guarda traços
tribais de nossos avós;
o encanto e a força da raça
renascem na tua voz!
Solta teu canto, meu mano,
e acorda o orgulho cabano
que dorme dentro de nós!

Juraci Siqueira
Antonio Juraci Siqueira é poeta, contista, prosador, trovador, pesquisador, folclorista e contador de histórias. Marajoara de Afuá, sua obra é inspirada nas crenças e saberes populares da Amazônia e ele gosta de ser apelidado "o boto". É licenciado em Filosofia e professor do Colégio Paes de Carvalho.

Semec amplia “Alfabetiza Belém”

Anterior

Sobre Mia, Itamar e Tião…

Próximo

Vocë pode gostar

Mais de Cultura

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *