Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Manifesto Orla Livre



POR UMA ORLA DE TODOS 


As cidades devem trilhar o caminho do planejamento urbano sustentável, pensando no equilíbrio da ocupação do solo e no nosso patrimônio cultural e ambiental. Quando o planejamento das cidades fica submetido apenas aos interesses econômicos da construção civil, sob o pretexto da “modernização” e da geração de empregos, o resultado é a perda da qualidade de vida da atual e das futuras gerações. 

Com a redução do estoque de terras nos bairros de Umarizal, Nazaré e Batista Campos, a ação do mercado imobiliário se volta para uma área até então preservada de empreendimentos de alto impacto ambiental, a partir da construção do Edifício Premium, de 23 andares, na Rua Nelson Ribeiro, às margens da Baía do Guajará, e o pedido de licenciamento de outros empreendimentos na área. Há, sem dúvida, violação de direitos elementares, tais como: direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, à sadia qualidade de vida, dever do Poder Público de defender e preservar o meio ambiente para a atual e futuras gerações (artigo 225 da CF), garantia do bem-estar dos habitantes (art. 182 da CF), direito a cidades sustentáveis e ao saneamento ambiental (art. 2º da Lei 10.257/2001), apenas para citar alguns. 

Para nós e todos que pensam a cidade a partir da sua função social, como estabelece o Estatuto das Cidades e de acordo com o que prevê o Plano Diretor de Belém, a orla continental do Rio Guamá e Baía do Guajará é uma Zona Especial de Interesse Ambiental (ZEIA); ou seja, é uma área cujos elementos naturais do ambiente natural assumem função de interesse público, por serem importantes para a manutenção do equilíbrio socioambiental do Município; e para tanto essas áreas em processo de degradação devem ser recuperadas e destinadas preferencialmente ao lazer da população, a equipamentos públicos, parques, combinados com habitação de interesse social, de forma a contribuir para valorizar a integração entre o patrimônio natural e o patrimônio construído. 

Daí resultar a impropriedade da utilização da orla para edificação de empreendimento que, por sua natureza, contraria a possibilidade de plena utilização pública. 

Diretrizes essas em total acordo com o que também preceitua a Lei Orgânica do Município de Belém, em seu art. 129: “Respeitado o disposto na legislação federal e municipal, notadamente no Plano Diretor, são considerados bens de uso comum do povo as praias e os terrenos marginais aos rios e lagos, sendo assegurado, sempre, livre e franco acesso a eles, em qualquer direção e sentido, garantidos os direitos adquiridos, o ato jurídico perfeito e a coisa julgada. § 1° Não será permitida a urbanificação ou qualquer forma de utilização do solo que impeça ou dificulte o acesso
assegurado no “caput” deste artigo. § 2° Ao longo das águas correntes e dormentes e das faixas de domínio público das rodovias, ferrovias e dutos, será obrigatória a reserva de uma faixa “non aedificandi”. 

Belém é um símbolo do patrimônio histórico-cultural brasileiro e como tal deve ser tratada: sua importância histórica é indiscutível, tendo desempenhado um papel imprescindível na formação da cultura brasileira, isto sem mencionar a sua privilegiada beleza natural. Uma cidade que caminha para seus 400 anos e será que a maioria dos seus cidadãos quer uma selva de pedras dentro da orla, emparedando a cidade e comprometendo a circulação dos ventos, prejudicando ainda mais a qualidade de vida e o direito de todos à paisagem ? 

O QUE QUEREMOS?

1 – A adesão da Prefeitura de Belém ao Projeto Orla do Ministério do Meio Ambiente, visando a construção de um Plano de Gestão Integrada da Orla de Belém, que promova a requalificação urbana da área e a integração da Baía do Guajará ao convívio dos munícipes, através de espaços de lazer, cultura, esporte, da valorização do nosso patrimônio cultural e ambiental, do desenvolvimento do turismo, de atividades econômicas compatíveis e habitação de interesse social. 

2 – Alteração do Plano Diretor de Belém, visando adequar o coeficiente de aproveitamento máximo da orla da ZAU-5, setor A2 (gabarito das construções) às diretrizes e objetivos da ZAU-5 e da Zona Especial de Interesse Ambiental -(ZEIA). 

3 – Regulamentação do Plano Diretor de Belém, em vários de seus dispositivos e instrumentos de planejamento Urbanístico, como Plano de Gestão para as Zonas Especiais, revisão da Lei Complementar de controle Urbano (LCCU), a Outorga Onerosa, a Transferência do Direito de Construir, o Estudo do Impacto de Vizinhança e o Direito à Preempção. 

4 – Respeito à Lei Federal 9636/98, por parte da SPU/PA, quando da efetuação de Inscrições de Posse nos terrenos de marinha de Belém. 

5 – Suspensão de todo licenciamento de obras de alto impacto ambiental dentro da orla pela Prefeitura de Belém e demolição do Edifício Premium.” 

AAPBEL – Associação dos Amigos do Patrimônio de Belém 
CIVVIVA – Associação Cidade Velha – Cidade Viva
FÓRUM BELÉM
FÓRUM DE CULTURA DE BELÉM
ONG NO OLHAR
REVOLEA – Rede Voluntária de Educação Ambiental

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *