Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

Juiz condena envolvido na Operação Hidra de Lerna

Florêncio de Moraes Cardoso foi condenado pelo juiz federal Rubens Rollo D’Oliveira a 11 anos, um mês e dez dias de prisão em regime fechado por fraudar o banco de dados do INSS em Belém. Ele  foi preso pela operação Hidra de Lerna, realizada em 2011 pela Força-Tarefa Previdenciária no  Pará, composta pelo Ministério da Previdência Social, Polícia Federal e Ministério Público Federal. Quatro organizações criminosas foram identificadas durante as investigações, sendo que em três delas houve a participação de Florêncio de Moraes Cardoso ou de outros servidores do INSS que também respondem a ações penais. Havia cerca de 370 benefícios com indícios de irregularidades. O prejuízo aos cofres da União foi calculado na época em torno de R$ 10 milhões. 

A fraude se dava da seguinte maneira: os chefes das quadrilhas arregimentavam pessoas idosas, chamadas de “soldados”, que utilizavam documentos falsificados e se faziam passar por beneficiários nas agências do INSS e bancos. Requeriam e recadastravam benefícios, desbloqueavam cartões de pagamentos e renovavam senhas, com ou sem a participação de idosos e de servidores do INSS.  

A operação foi batizada de Hidra de Lerna em referência a personagem da mitologia grega que tem várias cabeças.

(Com informações da força- tarefa previdenciária).

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *