O delegado de polícia de Oriximiná, Edmílson Faro, prendeu o vigia Ailton Ferreira da Silva a pedido do presidente da Câmara Municipal, vereador Marcelo Andrade Sarubi (PSDB) e do vereador Márcio Canto (PTB) e, na presença de ambos e do…

Primeira do Brasil totalmente focada na educação para o trânsito, a biblioteca do Detran-PA foi criada em 1998 e começou direcionada ao público interno, funcionando no antigo prédio do órgão, ao lado da Ceasa. Em 1º de novembro de 1999,…

A Prefeitura de Belém vai revitalizar dezesseis imóveis do município que estão há anos em situação de abandono. Além do resgate do patrimônio histórico, artístico e cultural, a intenção é reduzir gastos com aluguéis de prédios que abrigam órgãos municipais.…

A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

Interditada, Imerys nega vazamento

Uma Comissão Externa de deputados da Alepa vai nesta sexta-feira, 23, acompanhar de perto a crise ambiental no município de Barcarena, devido ao vazamento de rejeitos da Imerys Rio Capim Caulim S.A. nos igarapés Dendê e Curuperé, que afeta ribeirinhos. Integram a comissão o deputado Edmilson Rodrigues (PSOL), que a requereu, e os deputados Edilson Moura, líder do PT, Augusto Pantoja(PPS) e Ana Cunha(PSDB)

O juiz federal Arthur Pinheiro Chaves, da Vara Ambiental no Pará, determinou a interrupção do fluxo de novos materiais destinados à sub-bacia cinco, a fim de evitar o aumento de seu volume e mais vazamentos.
Tanto o MPF quanto o MPE-PA e o Instituto Evandro Chagas vão continuar monitorando a situação. Enquanto a bacia comprometida estiver interditada, a empresa deve prosseguir com as medidas de contenção. Novas vistorias devem ser realizadas nos próximos dias. 

Em nota, a Imerys Rio Capim Caulim diz que ainda não foi notificada, mas que irá atender à determinação da Justiça e recorrer da decisão.
A empresa considera a interdição “medida desproporcional”.
Insiste que não há rompimento ou fissura que cause vazamentos e sim uma infiltração de pequena dimensão e baixo risco, detectada no primeiro semestre de 2013, e que teria sido corrigida com a participação da consultoria Pimenta de Ávila, especialista internacional em segurança de barragens.
Sustenta que protocolou na Secretaria de Estado de Meio Ambiente, em setembro de 2013, relatório completo sobre a questão, e reafirma que houve só um vazamento de pequena quantidade de caulim no dia 06/05. 

Leiam aqui a íntegra da decisão na Ação Cautelar nº 14454-66.2014.4.01.3900.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *