Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

O juiz federal Henrique Jorge Dantas da Cruz condenou a União e o Estado do Pará à obrigação de fornecer Cerliponase Alfa (Brineura®) a uma criancinha de quatro anos durante todo o período de tratamento, sem interrupção. O remédio deverá…

A Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária da Assembleia Legislativa aprovou à unanimidade, hoje (15), as contas do governador Helder Barbalho relativas ao exercício de 2020. Conforme o relatório do presidente da CFFO, deputado Igor Normando (MDB), a receita bruta…

Festival de Botos

 O Boto Cor de Rosa
 O Boto Tucuxi e sua rainha
 Dança do boto com o pajé
 Pajé do Boto Tucuxi
 Rainha do Artesanato do Boto Cor de Rosa
 Rainha do Boto Cor de Rosa
Evolução no Sairódromo

Rainha do Boto Tucuxi
Dança da sedução do boto
Ontem à noite, os grupos folclóricos Boto Cor de Rosa e Boto Tucuxi já mostraram a beleza das apresentações deste ano, na abertura oficial do Çairé, na Vila de Alter do Chão, em Santarém (PA).
O festival dos botos é um dos momentos mais aguardados pelo público que acompanha o evento. Trata-se de um espetáculo no qual duas associações da comunidade apresentam a lenda do homem boto, um jovem e belo rapaz de vestes brancas e chapéu na cabeça, que seduz a mais bela cabocla (ou cunhã, nome indígena para mocinha). A história é contada de uma forma alegre e sensual pelas duas agremiações, com dança, teatro e música.
A cada ano, os grupos escolhem um tema a partir da lenda e disputam a melhor performance, avaliada a partir de critérios como técnica, desenvoltura, coreografia, evolução. Este ano, o Tucuxi vem com “O encanto do Çairé”, e o Cor de Rosa com “Santarém, um poema de amor”.

As apresentações dos botos foram incorporadas à festa do Çairé em 1997, por iniciativa dos próprios moradores da vila. Antes, um grupo local, o Cheiro do Sairé, apresentava a lenda de forma coreografada. Desde 1999, as associações passaram a disputar a melhor encenação. 

Confiram as lindas fotos de Tamara Saré.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *