Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

EM AUDIÊNCIA

O que vou explanar são fatos do meu tempo como aplicador da lei e do Direito.

A sociedade exige que o juiz seja um sacerdote em sua missão. O que para um cidadão comum não passa de mero deslize, para o juiz é um escândalo. Afinal de contas, a quem mais foi concedido mais será cobrado, diz a Bíblia.

O magistrado não pode gozar as delícias de um fim de tarde num barzinho, tomando chope. Vão logo dizer que estava bêbado e sem compostura. Se estiver numa cidade pequena, não pode dançar carnaval, nem torcer por seu time abrindo o coração e soltando palavrões como um mortal qualquer.

Não pode isso, não deve fazer aquilo etc. O poder, de certa maneira, isola.
Quando trabalhei em algumas cidades do interior do Estado do Pará, diversas vezes me aconteceram esses fatos: as pessoas tinham receio de se aproximar de mim, guardando, no mais das vezes, uma distância respeitosa.
Se a segurança pessoal permitia, pegava o tênis e saía para uma caminhada. Sempre sozinho.

Quando era convidado para algum aniversário e entrava na casa do anfitrião, os risos, as conversas, a música, quase tudo parava imediatamente, como se ali estivesse entrando o representante da censura, da chatice, o inimigo da alegria.

Aquilo muitas vezes me machucava, eu que sempre procurei ser autêntico, não fazer tipo e andar de peito aberto.

É lógico que sempre existiu gente que se empolgava com o poder e contrai a doença conhecida como “juizite”, a mãe da mediocridade, o câncer que embota o espírito.

Para esses cabe como uma luva a máxima do Marquês de Maricá: “Queres conhecer o Inácio? Dá-lhe um palácio”.

Mas, o exercício da magistratura não é aquela atividade chata, apática. Existe o lado ameno e quem não perdeu a humildade e ainda se considera como parte da humanidade, aproveita a ocasião para rir e relaxar.

Afinal de contas, apesar das diferenças de posições, de status, que a sociedade criou ali estão, frente a frente, seres humanos. Perante o Pai Eterno ninguém é melhor do que ninguém.

Era uma audiência muito tumultuada. Contestação, partes e advogados mal humorados, depoimentos tensos e mais outros ingredientes que faziam muito mal à minha hipertensão na tarde calorenta naquela cidade interiorana.
Tentava a todo custo conseguir uma conciliação, mas o coração do fazendeiro ali à minha frente parecia feito de granito. Era não e não.

Mandei servir água gelada e cafezinho para os litigantes e seus patronos. Foi um santo remédio.

-Tudo bem, doutor, vamos fazer o acordo!

Após nova batalha para chegarmos a um valor, felizmente o acionado concorda. Ia pagar ali, mesmo. Abriu a pasta, tirou o dinheiro e entregou para o peão.
Depois de contar o numerário o pobre homem olha para mim, tira dez reais estende a mão para mim e me diz:

-Taqui, doutor, pra sua cervejinha!

Levei um susto. A sala de audiências estava cheia de advogados e assistentes. Então aquele homem estava tentando comprar, corromper o juiz?

Com certeza viria uma ordem de prisão em flagrante.

Desci do pedestal, peguei o dinheiro, levantei, abri o bolso da camisa do peão e falei:

-Não precisa, não… pegue isso e compre umas cervejas e tome por mim… mas, não vá exagerar!

Quando a audiência acabou, o calor da tarde havia passado e minha pressão arterial estava como a de uma criança.

Nunca mais esqueci o fato.

*O artigo acima é de total responsabilidade do autor.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *