Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Dia do Jornalista

A data remonta ao Império: em 7 de abril de 1831 o imperador Dom Pedro I  abdicou, no ápice de um movimento popular cujo estopim foi o assassinato de João Batista Líbero Badaró, médico e jornalista, por motivos políticos, em São Paulo, em 22 de novembro de 1830. 

Esse dia foi escolhido por Gustavo de Lacerda, em 1908, para marcar a fundação da Associação Brasileira de Imprensa, que instituiu o Dia do Jornalista nas comemorações de um século da Abdicação, em 1931. A ABI completa hoje 109 anos, fiel aos princípios que inspiraram sua criação e nortearam sua atuação ao longo da História, vigilante na defesa dos direitos fundamentais do regime democrático. 

Neste momento ímpar da vida nacional, mais uma vez os jornalistas têm relevante papel a cumprir na luta pela consolidação da liberdade de expressão, um dos pilares do Estado de Direito. É dia de reflexão sobre a importância do jornalismo para o futuro do País.

A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) lançou no sábado passado, 4, um relatório em que menciona casos de agressão e ameaças a jornalistas e denuncia a impunidade de crimes contra a imprensa. Os casos de violência são rotineiros. Ataques a jornalistas são em múltiplas formas e provêm de diversos setores. Os casos mais frequentes incluem abusos físicos, ameaças, insultos, intimidações e vandalismo. 

Exemplo de intolerância em relação à liberdade de imprensa mencionado no relatório é o ataque à sede da Rede Gazeta de Vitória, no Espírito Santo, na madrugada do dia 9 de fevereiro. O prédio da empresa recebeu quatro tiros que não feriram ninguém, mas durante vários meses tanto a empresa quanto seus profissionais foram vítimas de ameaças devido à cobertura da greve da polícia que paralisou o estado. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *