A Associação do Ministério Público do Estado do Pará elegeu nesta sexta-feira, 24, a nova diretoria da Assembleia Geral, Diretoria Administrativa e Conselho Fiscal, para o biênio 2022-2024. Os promotores de justiça Alexandre Tourinho e Fábia Fournier, presidente e vice-presidente,…

O CineSal desta semana foi com a professora doutora Sidiana Macêdo, que abordou o tema "Na cozinha de Babette", sobre o filme "A festa de Babette", de 1987, baseado no livro homônimo, da escritora dinamarquesa Karen Blixen, com direção de…

A juíza titular da 1ª Vara do Trabalho de Parauapebas, Roberta de Oliveira Santos, homologou, hoje, 24, o pagamento dos direitos trabalhistas a uma mulher que atuava como cozinheira em um grande hotel da cidade, a mais rica do Pará.…

Vai ser em alto estilo, neste sábado (25), ao cair da tarde, a inauguração do restauro do Palacete Faciola: show da Amazônia Jazz Band e abertura das exposições "Belém Passado/Presente", em homenagem ao saudoso professor, arquiteto e urbanista Flávio Nassar;…

Contagem regressiva para o Centro Cultural Palacete Faciola

Está prevista para o próximo dia 25 a entrega do Centro Cultural Palacete Faciola, que após restauro completo será a nova sede do Museu de Imagem e do Som (MIS) e do Departamento de Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural (DPHAC) da Secretaria de Cultura do Pará.

Os acervos do MIS e do DPHAC incluem mobiliário, biblioteca para pesquisas, equipamentos audiovisuais e sonoros, coleções importantes do cinema regional, dos anos 1950 até 2000, além de 4.460 mídias sonoras em fitas K7, discos de vinil e CD’s; e 4.485 mídias audiovisuais, que englobam fitas VHS, rolos de películas 35mm/16mm, DVD’s, fitas mini DV e DV Cam e HD Cam. O museu ainda preserva seiscentas fotografias de acesso público e quinhentos materiais impressos.

As principais obras que compõem a coleção do museu são longas-metragens e documentários de Líbero Luxardo; cine jornais de Milton Mendonça; documentário do Museu do Marajó, de autoria do padre Giovanni Gallo; partituras, músicas, cartas e fotografias do maestro Waldemar Henrique e de Altino Pimenta; cartazes de filmes de Pedro Veriano; depoimentos de figuras públicas paraenses; filmes paraenses contemporâneos e filmes brasileiros da Agência Nacional do Cinema (Ancine).

O diretor do MIS, Januário Guedes, adianta que no primeiro momento serão realizadas duas exposições, compostas por maquetes históricas de Belém e objetos do cinema e audiovisual, que fazem parte das peças fixas do museu. Em curto prazo, pretende promover sessões de cineclube; o médio e longo prazo são pensados para pesquisas feitas por professores e estudantes, juntamente com a criação de ações sobre de educação patrimonial para alunos de escolas públicas.

Após 50 anos de criação do MIS, a expectativa é de que o patrimônio tenha, de forma permanente, a estrutura e ferramentas adequadas para o manuseio. “Vamos contar com parâmetros e equipes preparadas para diagnosticar, recuperar, conservar e difundir nosso acervo audiovisual. O Museu da Imagem e do Som tem um diferencial, porque possui um perfil de base tecnológica, depende de instalações apropriadas e aparatos tecnológicos”, explica Januário, cineasta.

Já o DPHAC funcionará com a estrutura organizacional de arquivos e uma biblioteca especializada, que consiste em processos, plantas, fotografias, livros, folhetos, periódicos e slides – cuja finalidade é disponibilizar o acervo para pesquisas, análises e atividades educativas patrimoniais.

Haverá, ainda, espaço expositivo sobre o Palacete Faciola, que é integrado por três edificações, com mobiliário histórico e descrição do processo de restauro. Construído em 1901 por Antônio de Almeida Faciola e considerado um dos maiores acervos da “Belle Époque” em Belém do Pará, fica localizado na esquina da Av. Nazaré com a Trav. Dr. Moraes. O belíssimo prédio histórico passou nada menos que dezoito anos fechado e em ruínas. Em 2009, recebeu algumas obras de reforço estrutural; depois, em 2016, foi submetido a uma intervenção, quando foi executada a revisão da cobertura e a construção de novos sistemas de cobertura para as casas 2 e 3. Em 2019 foi instalado um sistema de drenagem da área externa das 3 casas, além do levantamento e catalogação dos azulejos da fachada. E em 2020 foi finalmente licitado o total restauro pelo Governo do Pará.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. Parabéns pela iniciativa de preservação dos patrimônios históricos, tanto físico como cultural de Belém e do Pará!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *