Desde sua origem, Marabá (PA) sofre anualmente enchentes dos rios Tocantins e Itacaiúnas e a população que reside em áreas de risco fica em situação de vulnerabilidade. Todos os anos a defesa civil estadual e municipal planeja, monitora e prepara…

Em noite de gala na próxima segunda-feira, 24, às 19h, no Teatro Maria Sylvia Nunes, em Belém, o governador Helder Barbalho vai lançar o 110º Campeonato Paraense de Futebol, o Parazão Banpará 2022, com transmissão ao vivo pela TV e…

Todos os órgãos de segurança estão trabalhando de forma integrada para dar suporte à população em face da destruição do pilar central e iminente desabamento do vão da ponte do Outeiro. O Centro Integrado de Comando e Controle da Segup…

O Procurador-Geral de Justiça do Estado do Pará, César Mattar Jr., recebeu em audiência o advogado Arnaldo Jordy e uma comissão integrada por Simone Pereira, da Universidade Federal do Pará; Marcelo Alves, da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e…

AGU em crise por ingerência política

Advocacia-Geral da União vive dias tumultuados. Após a exoneração de Luís Inácio Adams, em março deste ano, a instituição foi chefiada por José Eduardo Cardozo, que virou porta-voz da presidente afastada Dilma Rousseff, e agora o Advogado-Geral da União é Fábio Medina, mas sua saída já é especulada. A Associação Nacional dos Advogados Públicos Federais (Anafe), maior entidade representativa das carreiras, está indignada com a forma como se deu a escolha dos últimos dirigentes: as listas tríplices apresentadas à presidência da República, tanto a  Dilma Rousseff quanto a Michel Temer, foram ignoradas e nomeado alguém de fora das carreiras que compõem a AGU.

Os membros da AGU vêm lutando há tempos contra ingerências políticas e entendem que a escolha do chefe máximo da instituição a partir da lista tríplice formada por membros da carreira é importante evolução para o País.
“A Advocacia-Geral da União atua com excelência no combate à corrupção, na viabilização das políticas públicas e na preservação do erário, não devendo em qualquer hipótese abandonar a sua função de advocacia de Estado para assumir uma postura de advocacia de governo. Se há intenção de que a AGU exerça a sua função essencial à Justiça, pautada por interesses republicanos e não políticos de ocasião deve-se acolher a lista tríplice”, afirmam, em nota.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *