Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

AGU em crise por ingerência política

Advocacia-Geral da União vive dias tumultuados. Após a exoneração de Luís Inácio Adams, em março deste ano, a instituição foi chefiada por José Eduardo Cardozo, que virou porta-voz da presidente afastada Dilma Rousseff, e agora o Advogado-Geral da União é Fábio Medina, mas sua saída já é especulada. A Associação Nacional dos Advogados Públicos Federais (Anafe), maior entidade representativa das carreiras, está indignada com a forma como se deu a escolha dos últimos dirigentes: as listas tríplices apresentadas à presidência da República, tanto a  Dilma Rousseff quanto a Michel Temer, foram ignoradas e nomeado alguém de fora das carreiras que compõem a AGU.

Os membros da AGU vêm lutando há tempos contra ingerências políticas e entendem que a escolha do chefe máximo da instituição a partir da lista tríplice formada por membros da carreira é importante evolução para o País.
“A Advocacia-Geral da União atua com excelência no combate à corrupção, na viabilização das políticas públicas e na preservação do erário, não devendo em qualquer hipótese abandonar a sua função de advocacia de Estado para assumir uma postura de advocacia de governo. Se há intenção de que a AGU exerça a sua função essencial à Justiça, pautada por interesses republicanos e não políticos de ocasião deve-se acolher a lista tríplice”, afirmam, em nota.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *