A Prefeitura de Belém está convidando os moradores da Cidade Velha à Consulta Pública sobre a reforma e revitalização do prédio ao lado da Igreja da Sé, onde por muito tempo funcionou a Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel).…

As eleições de 2022 coincidem com o bicentenário da Independência e os 90 anos de conquista do direito do voto feminino, ocorrida em 24 de fevereiro de 1932. Durante todo o Império, as brasileiras não puderam votar e somente 43…

O Ecomuseu da Amazônia, da Fundação Escola Bosque (Funbosque) promoveu no domingo, 25, na Ilha de Cotijuba, o roteiro patrimonial, pelo encerramento da 16ª Primavera dos Museus. Os visitantes conheceram o pólo do Ecomuseu, a história de Cotijuba, que passa…

A prefeitura de Portel, em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, lançou na sexta-feira passada (23) o projeto Marajó Sustentável, aliado ao Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Seringueira no Estado do Pará…

A memória de Belém no lixo

O advogado Sebastião Piani Godinho fez estas fotos há coisa de duas semanas, mostrando o estado deplorável do casarão localizado na Trav. Presidente Pernambuco, esquina com a rua Veiga Cabral, no bairro da Campina, em Belém do Pará. Edificação de inegável valor histórico, arquitetônico e paisagístico que reclama preservação e cuidados, o imóvel foi alienado para alguém que, pelo desprezo com que o trata, não tem compromisso com a memória parauara. Assim, a quase quatrocentona Belém vai perdendo as suas referências mais preciosas.

Conhecido popularmente por “Casarão da Praça Ferro de Engomar”, em 2011 o imóvel  foi comprado pelo presidente do Grupo Ponte e Simão e Cia. Ltda. (Grupo Esplanada), Francisco Wellington Pontes de Souza. O palacete leva o nome Victor Maria da Silva, engenheiro que foi o primeiro diretor do Theatro da Paz, secretário de Obras no governo de Augusto Montenegro e participou de importantes obras em Belém, no final do século XIX e início do século XX, como a reforma do Palácio Lauro Sodré, atual sede do Museu Histórico do Estado do Pará, e de reforma da mais importante casa de espetáculos da capital paraense, o Theatro do Paz.

Iphan, Secult, Fumbel, MP, socorro!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *