Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

A memória de Belém no lixo

O advogado Sebastião Piani Godinho fez estas fotos há coisa de duas semanas, mostrando o estado deplorável do casarão localizado na Trav. Presidente Pernambuco, esquina com a rua Veiga Cabral, no bairro da Campina, em Belém do Pará. Edificação de inegável valor histórico, arquitetônico e paisagístico que reclama preservação e cuidados, o imóvel foi alienado para alguém que, pelo desprezo com que o trata, não tem compromisso com a memória parauara. Assim, a quase quatrocentona Belém vai perdendo as suas referências mais preciosas.

Conhecido popularmente por “Casarão da Praça Ferro de Engomar”, em 2011 o imóvel  foi comprado pelo presidente do Grupo Ponte e Simão e Cia. Ltda. (Grupo Esplanada), Francisco Wellington Pontes de Souza. O palacete leva o nome Victor Maria da Silva, engenheiro que foi o primeiro diretor do Theatro da Paz, secretário de Obras no governo de Augusto Montenegro e participou de importantes obras em Belém, no final do século XIX e início do século XX, como a reforma do Palácio Lauro Sodré, atual sede do Museu Histórico do Estado do Pará, e de reforma da mais importante casa de espetáculos da capital paraense, o Theatro do Paz.

Iphan, Secult, Fumbel, MP, socorro!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *