Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Você sabia que a partir de hoje vai precisar apresentar o comprovante de suas vacinas se quiser frequentar lugares públicos em todo o Pará?

O passaporte sanitário no nosso estado começou a ser exigido em todos os locais públicos a partir de hoje. Isto é, se você quiser frequentar academias, cinemas, bares, restaurantes e shoppings, terá que estar vacinado.

Algumas pessoas que ainda não tomaram a vacina reclamam da obrigatoriedade da mesma.

Sabemos que é um assunto polêmico e também muito caro à democracia: o direito do cidadão de agir conforme suas crenças individuais. Todas as vezes em que o Estado decide pelo cidadão o que fazer com a sua própria vida, cria-se um impasse democrático. Impasse este que hoje pode favorecer o que você pensa, mas amanhã talvez não mais. Sim, o precedente é perigoso.

No entanto, colocar sanções para os que decidem nào se vacinar por pura vontade própria tem sido o caminho tomado por praticamente todos os países democráticos desenvolvidos.

Como então esses países chegaram a este consenso?

Acontece que nenhum direito é absoluto, nem o de ir e vir e nem o de não se vacinar. Em tempos normais nenhuma vacina seria obrigatória, todavia não estamos vivendo na normalidade há quase dois anos. Em situações graves como uma PANDEMIA os governos podem tomar medidas consideradas radicais. Medidas extremas para dificuldades extremas. Logo, o direito à vida se torna mais importante que o de ir e vir, por exemplo.

“Mas porquê eu devo me vacinar se posso pegar o vírus do mesmo jeito, Julia?”

Bem, em primeiro lugar não é “do mesmo jeito”. Estudos recentes mostram que entre os contaminados, além da carga viral dos vacinados ser bem menor do que a de não vacinados, eles também transmitem menos. Então a decisão de se vacinar não é somente por você, mas pelos outros. Afinal a vacina sempre foi um pacto coletivo.

Outro ponto a considerar é que vacinados tendem a ter sintomas bem mais leves que os não vacinados, com bem menos chances da doença agravar a ponto de precisar se internar em uma UTI. Durante a primeira fase da pandemia no ano passado, centenas de cirurgias “eletivas” tiveram que ser desmarcadas. Não havia leito nos hospitais públicos nem para pacientes oncológicos. Com uma maioria vacinada os leitos ficam vagos para quem realmente precisa. Se você pode escolher não ocupar uma vaga em leito de hospital sabendo que há milhares de pessoas já precisando dela, vacine-se. Se vacinar é SOBRETUDO uma decisão empática. É pensar em si e no outro. É colaborar com o que é melhor para a maioria.

E vamos combinar, você já toma vacinas há muito tempo sem nunca antes ter se preocupado com seus efeitos colaterais. A comunidade científica mundial inteira concorda que as aprovadas são seguras. Não sou eu que digo isso. São cientistas de Harvard, Yale, Oxford…

Você acha radical a medida do passaporte sanitário no Pará? Pois saiba que a Áustria, que tem um dos melhores sistemas de saúde do mundo, um país extremamente desenvolvido, vai MULTAR em o equivalente a R$ 22.000,00 o cidadão que não se vacinar. Para isso, enviarão a cada um que ainda não tomou um aviso pelos correios informando o dia, hora e local em que ele deverá se vacinar. Lá como aqui, ele pode escolher não ir, mas vai sofrer as consequências desta decisão sem sentido.

Esse é o caminho de todos os países modernos.

Esse é o caminho que devemos tomar para protegermos a maioria.

Por tudo isso, esta colunista não só concorda, como apoia o decreto que passa a valer a partir desta segunda-feira.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *