Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Imazon lança mapa de áreas protegidas do Pará

Para marcar os quinze anos de criação das Florestas Estaduais de Faro, Trombetas e Paru, da Estação Ecológica Grão-Pará e da Reserva Biológica Maicuru, na Calha Norte, hoje (4), o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) lançou o mapa geográfico das Áreas protegidas do Norte do Pará.

Em 2006, o então governador Simão Jatene instituiu mais de 12 milhões de hectares de Áreas Protegidas na Calha Norte, região que abriga o maior bloco de Unidades de Conservação, Territórios Quilombolas e Terras Indígenas do mundo. Um ano antes ele sancionou a Lei Nº 6.745/2005, do Macrozoneamento Ecológico-Econômico do Estado do Pará, para preservar e conservar amostras representativas dos ecossistemas com a biodiversidade englobada e os recursos hídricos, incentivar o desenvolvimento das atividades econômicas em bases manejadas, reduzir os conflitos fundiários e o desmatamento ilegal, entre outras zonas indicando as áreas para criação de Unidades de Conservação, reconhecidas na Lei Nº 7.398/2010, dispondo sobre o Zoneamento Ecológico-Econômico da Zona Leste e Calha Norte do Estado do Pará.

O Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade (Ideflor-Bio) é responsável pela gestão de 27 Unidades de Conservação do Pará, onze delas de Proteção Integral, com 5.533.759,54 hectares, e dezesseis de Uso Sustentável, com 15.502.639,01 ha., somando 21.036.398,55 ha. ou 16,86% do território paraense, divididas por regiões administrativas: Belém, Xingu, Marajó, Nordeste, Mosaico do Lago de Tucuruí, Araguaia e Calha Norte I, II e III. As UCs são espaços terrestres e aquáticos que garantem a proteção de amostras representativas da biodiversidade da Amazônia, em especial da flora e da fauna ameaçadas de extinção no Pará.

O mapa permite visualizar cada UC, seus limites geográficos, formatos, rios, territórios indígenas, quilombolas, além dos recursos socioeconômicos da região. A Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará preside a Câmara de Compensação Ambiental, que define a destinação de recursos financeiros para as unidades de conservação oriundos de Compensação Ambiental, a partir do processo de licenciamento dos empreendimentos de significativo impacto ambiental. Atualizar o método de cálculo a fim de tornar os valores de compensação pelo menos proporcionais ao prejuízo causado pela instalação e operação desses empreendimentos é meta da Semas.

A Calha Norte envolve nove municípios e tem área equivalente ao estado de São Paulo. É a mais conservada do Pará, com biodiversidade, beleza cênica e recursos hídricos que precisam ser protegidos.

A Floresta Estadual de Faro abrange Faro e Oriximiná, tem 613.867,67 hectares de floresta nativa conservada, com rica biodiversidade de fauna e flora e ocorrência de espécies endêmicas. Sua área de abrangência se sobrepõe a Terras Indígenas e Territórios Quilombolas. Na Flota de Faro é possível fazer trilhas ecológicas, como a do Cumaru (5km), na comunidade do Português, e a da comunidade do Monte Sião (2,5km), além de pesca esportiva no período de seca do rio Nhamundá, de agosto a dezembro, e desova de quelônios (tartaruga e tracajá) ao final do mês de setembro.

A Floresta Estadual do Paru se espraia em 36.129,14 Km2 (3.612,914 hectares), em Almeirim, Monte Alegre, Alenquer e Óbidos, onde abriga rica diversidade de fauna e flora, além de paisagem exuberante do bioma Amazônia. Cerca de 96% de sua área é coberta por florestas bem conservadas. Banhos nas cachoeiras do Panamá, Bacuri e de Santo Antônio (esta com queda de 50 metros) e passeios nas corredeiras são as atividades de turismo ecológico mais comuns na Flota, onde também dá para contemplar árvores gigantes, como nos fascinantes castanhais, que garantem a subsistência das populações tradicionais extrativistas da região.

A Flota do Trombetas abrange Oriximiná, Óbidos e Alenquer, em meio a 3.172.978 hectares de floresta nativa conservada, o correspondente a 31.729,78 Km2. Compatibiliza a conservação da natureza com o uso sustentável de parcela dos seus recursos naturais. Lá vivem populações tradicionais, é permitida pesquisa científica e visita pública condicionada às normas estabelecidas em seu plano de manejo e órgão gestor.

Já a Estação Ecológica Grão-Pará abrange Monte Alegre (3,44%), Oriximiná (75,89%), Alenquer (13,31%) e Óbidos (7,36%), ao longo de 4.245.819,11ha., e incorpora porções das bacias hidrográficas dos rios Maicuru, Curuá, Cuminapanema, Erepecuru, Trombetas e Mapuera. No município de Oriximiná limita ao Norte com Guiana (na TI Wai-Wai) e em Óbidos e Alenquer limita ao Norte com a TI Parque do Tumucumaque; ao Sul com a TI Trombetas-Mapuera, com a Flota de Trombetas, com a TI Zo’é e com a Flota Paru; a Leste com a TI Parque do Tumucumaque, em Oriximiná, e em Alenquer e Monte Alegre limita com a TI Rio Paru D`Este e com a Rebio Maicuru; e a Oeste limita com Roraima. É a maior UC de Proteção Integral de florestas tropicais do planeta.

A Rebio Maicuru tem mais de 1 milhão de hectares, foi criada com objetivo de preservar os ecossistemas naturais existentes e contribuir para a manutenção dos serviços ambientais e recargas de aquíferos, possibilitando a realização de pesquisas científicas e o desenvolvimento de atividades controladas de educação ambiental. Existe um Plano de Manejo, publicado e em vigor desde 2011. Nos estudos que antecederam o plano, foram registradas 88 espécies de peixes, 31 de anfíbios e 34 de répteis. Em 2012, a Rebio Maicuru passou a ser uma das Unidades de Conservação do Estado do Pará financiadas pelo Programa ARPA (Áreas Protegidas da Amazônia), do Ministério do Meio Ambiente.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *