Os dirigentes do Sindicato e da Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa festejaram o resultado da reunião de hoje com o presidente da Alepa, deputado Chicão, que também convidou para o encontro o Chefe de Gabinete da Presidência, Reginaldo Marques…

A Administração Superior do Ministério Público do Pará está empenhada em fortalecer a atuação dos promotores de justiça no arquipélago do Marajó, onde a situação de extrema pobreza, agravada pela pandemia, perpetua crimes gravíssimos como os abusos e exploração sexual…

“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

Piedade e o cinema potente de Cláudio Assis

“Piedade”, do cineasta pernambucano Cláudio Assis, é um dos melhores filmes brasileiros dos últimos anos e marca a reabertura das sessões regulares no Cine Líbero Luxardo. Escolha certeira e oportuna que traz de volta, com os protocolos necessários, o prazer de assistir filmes em salas de cinema do circuito alternativo. 

O mais recente petardo fílmico de Cláudio Assis revela um lugar fictício para uma série de situações em conflito. Como cenário, um mundo de paisagens paradisíacas e a perpétua luta de classes e interesses escusos na promessa de dias melhores e outras mentiras. 

Se por um lado o ativismo da preservação ambiental dá o grito de guerra na abertura do filme, por outra ótica a especulação predatória do capital é apresentada de forma sedutora, devastando sonhos de coletividade organizada no aceno de uma terra prometida em que a comunidade local supostamente seria beneficiada com as novas leis de mercado. Novos tubarões em novos formatos. 

Com elenco afinado e direção de atores que colocam na tela o melhor de suas performances, assistir “Piedade” é compartilhar a sensação de que realmente o cinema brasileiro é um dos melhores do mundo, pela ousadia, domínio técnico e temático para contar histórias com a nossa cara, nossos calos econômicos de ainda país periférico e o lobo do lobo do homem em cenários solares e tropicais. 

O cinema de Claudio Assis faz parte de uma cena poderosa na cultura nacional contemporânea: o cinema pernambucano e seus realizadores premiados no Brasil e no exterior, como Juliano Dornelles, Kleber Mendonça Filho, Lírio Ferreira, Katia Mesel, Gabriel Mascaro, Guel Arraes, Marcelo Gomes, Heitor Dhalia, Hilton Lacerda e outros. São artistas organizados e bem articulados na captação e produção de filmes que vão além do ufanismo local. São produções locais com visão universal e estilos diferenciados em movimento. Cinema para o mundo.    

Desde o primeiro longa-metragem, “Amarelo Manga” (em 2002, exibido no Cine Doca 1), já se observava uma marca, um jeito ruidoso e cortante de mostrar que nada do que é humano pode ser estranho. “Baixio das Bestas” (2006), teve resistência absurda para ser exibido no Líbero Luxardo com base em argumentos puritanos e total falta de intimidade com as artes. Felizmente, conseguiu ser exibido. 

A opção pelo uso do preto e branco abriu o foco para cinema e poesia em “Febre do Rato” (2011), exibido no Cine Estação das Docas com a presença do cineasta em bate-papo com o público numa das sessões matinais que aconteciam no Teatro Maria Sylvia Nunes. 

“Big Jato” (2016) não teve a mesma sorte de exibição em Belém. Uma pena, pois o filme sai um pouco do estilo vigoroso e violento do cineasta para contar pequenas histórias em situações de subdesenvolvimento. 

“Piedade” já foi lançado em streaming, mas nada tira o brilho de assistir ao filme em tela grande e som digital. Programa de cinema como resistência cultural ao estado das coisas que tomou de assalto o cinema brasileiro, com incêndios criminosos, a volta da censura (ver caso “Marighella”, de Wagner Moura), dirigismo e cortes orçamentários. 

Vá e veja!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *